O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Zootecnista de coração

Apontando a profissão escolhida por ela como a que fala ao seu coração, Paola descreve sua história com a zootecnia e ressalta dificuldades e prazeres dessa atividade em sua vida, assim como sua importância no dia a dia de tantas mulheres do agronegócio
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nascida e criada no interior de São Paulo, caçula de três mulheres, filha de um advogado e uma assistente social, cresci indo pra roça, subindo em árvore, nadando em rio e pegando bicho de pé. Simples, assim! 

Crescer junto aos animais, vendo o dia a dia de uma pequena propriedade rural, despertou em mim o desejo de fazer parte dali e contribuir na melhoria do processo, encontrar novas formas, novas tecnologias e soluções para incremento da produção e de sua lucratividade. Nascia ali, na infância, no curral e em cima de uma árvore o amor pela zootecnia. E, ao longo dos anos, este amor foi crescendo junto comigo. 

Sentir o prazer de estar ali no campo e ver de perto a necessidade de mudanças e crescimento me fez ir atrás de conhecimento. 

Graduada em zootecnia pela UNESP-Botucatu e mestre em Ciência Animal e Pastagem pela USP-ESALQ ainda sigo estudando sem a menor intenção de parar. Às vezes, tenho a impressão de quê quanto mais se aprende mais certeza se tem de que não sabemos nada. O gosto por aprender e melhorar me faz seguir. 

Nestes mais de vinte anos na estrada da zootecnia, vi e vivi as mais diversas experiências. E nestes anos todos, foi a zootecnia que me proporcionou os melhores e piores momentos. Sempre foi ela a responsável por cada descompasso do meu coração. A cada cliente satisfeito, a cada meta superada ou a cada ‘porteira’ fechada, lá estava ele, o coração com sua frequência alterada. Às vezes, um barranco rolado aqui, um atoleiro ali, mas o coração, sempre, dizendo que era pra esta estrada que eu devia voltar. Então, foi o que fiz. Seguindo o coração, foi dentro da zootecnia que minha vida se fez. Direta ou indiretamente, ela construiu minha história e sou grata por isso. Amo o que faço, faço o que amo e faria tudo de novo. Não me vejo em outra estrada, em outra profissão, em outra história. 

A zootecnia faz meus olhos brilharem e meu coração acelerar, mas zootecnia, resiliência e persistência, aqui, andam de mãos dadas. Três substantivos chaves e o tripé da longevidade para as mulheres que se aventuram em viver esta profissão. Para entender, basta olhar as equipes das mais diversas empresas do agro nacional e ver que, em 100% delas, não há 5% de mulheres entre seus colaboradores técnicos e comerciais. Porém, na semana do dia 08 de março, não nos faltaram elogios. Vi líderes, diretores, CEOs “soltando o verbo” ou, mais do que isso, soltando adjetivos a nós, mulheres do agro. Reconhecimentos que me deixaram feliz, mas gostaria de ver estas opiniões refletidas em suas contratações. Afinal, esta é uma realidade, ainda, pouco presente e precisamos nos empenhar além, em busca de um “lugar ao sol”. Entretanto, com paciência e persistência, aos poucos, vamos conquistando espaço, mostrando competência e dizendo a que viemos. Fazemos bonito e entregamos resultados. A cada ano, um número maior de mulheres chega ao campo, aos cargos de gestão, de liderança e de planejamento dentro do mundo agro brasileiro. São as mulheres trazendo um novo prisma ao agronegócio.  

Aos poucos, o cenário agro nacional vai ganhando cor, mais vida, mais movimento e uma nova cara. Aos poucos, mais mulheres juntam-se a nós para mostrar ao mundo que uma nova forma de pensar, de agir e de trabalhar nos torna cada dia melhores no que fazemos. Produzir alimentos. ‘Farmer’ na essência, zootecnista de coração. 

Leia outras colunas no portal Mundo Agro Brasil