Quem não mede, não cresce!

Inúmeras informações coletadas e trabalhadas por uma assessoria zootécnica de qualidade, somadas ao uso de tecnologia e uma boa visão estratégica de negócio são fundamentais para crescermos e atingirmos nosso máximo potencial. Mas, precisamos aprender a medir!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Quem não mede, não cresce!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Embora já se tenha avançado muito no que diz respeito à produção de alimentos para consumo humano, grande parte da população mundial, ainda, é de famintos. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), a população mundial ultrapassou os 7,5 bilhões de habitantes e a previsão é que em 2050 seremos mais de 9,2 bilhões ocupando o planeta. Para garantirmos a segurança alimentar e o fim da fome dessa população que não para de crescer devemos aumentar nossa produção de alimentos em 70% nos próximos anos. 

Neste contexto, o Brasil tem grande importância, afinal, além de sua vasta extensão, clima e geografia propícios para produção agrícola, possui o maior rebanho comercial do planeta, sendo o segundo em números absolutos na produção de carne. Porém ainda detém uma taxa de desfrute inferior à sua capacidade.  

De acordo com o informativo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área de pastagens brasileira possui, aproximadamente, 200 milhões de hectares com um rebanho perto de 210 milhões de cabeças. Estes dados mostram a imensa oportunidade de crescimento da produção animal nacional, mas quem não mede, não cresce.  

Temos potencial para ampliar nossa produção de proteína de origem animal e garantir a segurança alimentar da população, mas, para isso, precisamos lançar mão de consultorias qualificadas, orientações corretas e ajustes necessários dentro da propriedade. 

Para aumentarmos nossa produção e, principalmente, nossa produtividade, é preciso conhecer como estamos produzindo, usar e abusar das pesquisas e tecnologias que estão a nossa disposição, ter orientação e acompanhamento de um zootecnista e aprender a medir. Precisamos saber o que produzimos, quando produzimos e como produzimos, mas, acima disto, precisamos saber o que deixamos de produzir, quando deixamos de produzir e por que deixamos de produzir. Precisamos medir. Estas informações coletadas e trabalhadas por uma assessoria zootécnica de qualidade, somadas ao uso de tecnologia e uma boa visão estratégica de negócio são fundamentais para crescermos e atingirmos nosso máximo potencial. 

Precisamos trabalhar em conjunto para que a pecuária nacional se desenvolva nos mesmos passos da agricultura. Agricultura que cresceu a passos largos nos últimos anos, graças ao conhecimento, ao investimento em técnicos e tecnologias e, hoje, colhemos super-safras de grãos monitoradas via satélite com números que não param de avançar. Para seguirmos os mesmos passos e melhorarmos nossa taxa de desfrute na pecuária, é preciso deixar de lado conceitos e tradições de décadas atrás. Afinal, o mundo não permite mais amadorismo quando o assunto é agronegócio e segurança alimentar. O mundo, agora, gira mais rápido, mais exigente e mais inovador. Novos conceitos, exigências e tendências ditam uma nova forma de produzir e lucrar. Quem não se atualizar, não investir e não entender que “porteira a dentro” é empresa e deve ser tratada como tal, será engolido pelo mercado.  

O consumidor de hoje pede qualidade e sustentabilidade no que consome, enquanto o produtor precisa se aprimorar em busca lucratividade e, para equacionar este desafio de forma equilibrada, precisamos conhecer e entender a realidade dentro de cada fazenda, a fim de usarmos as ferramentas adequadas no momento certo. A época de “desmatar, soltar o boi em qualquer pastagem e retirar depois de anos” ficou para trás, bem para trás. O mundo não tem mais espaço para o velho “extrativismo”. Muitos já estão no caminho certo, mas, para chegarmos bem em 2050, é preciso que todos estejam. É preciso que todos entendam a necessidade dos adequados manejos. É preciso de pastagem, manejo nutricional e sanitário no seu rebanho a fim de retirar o máximo que ele tem a oferecer.  

Temos condições de ampliar nossa produção utilizando as atuais áreas de pastagem. Onde o suporte de um zootecnista, neste momento, é fundamental para medir, conhecer e aplicar as melhores técnicas para isto. Para crescer, precisamos medir. 

 Por Paola Gabarra
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também

Nutrição de Éguas Reprodutoras

O sucesso de uma criação de cavalos depende grandemente da capacidade reprodutiva de seu plantel. Éguas dependem de uma dieta balanceada para obter uma nutrição adequada, que permita desempenho máximo em sua função reprodutiva, seja em termos de fertilidade ou de capacidade de gerar e nutrir um potro

Continue lendo ⠀➡