Afinal, eu preciso mineralizar meu rebanho?

Qual importância isto tem na minha produção?
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
mineralizar

Precisa, sim mineralizar, e não é de qualquer maneira. Pois os minerais têm importância direta na saúde do seu rebanho, na sua produtividade e no seu lucro. Desta forma, fornecê-los de forma incorreta é um “tiro no pé”. 

Mesmo assim, muitas vezes, a mineralização dos bovinos não recebe a devida atenção dentro dos sistemas de produção. Talvez, isto ocorra por ela ser uma pequena porção entre as exigências nutricionais e isso nos induza a ideia que ela tem uma pequena importância. Porém, a realidade é muito diferente deste (pré) conceito e, apesar dos minerais constituírem, apenas, 4% do peso vivo (PV) animal, eles são de fundamental importância na parte estrutural, nos processos metabólicos e no desempenho dos mesmos. 

Por outro lado, a abundância de pastagens e alimentos também nos leva a pensar que isto basta para suprirmos a demanda nutricional do rebanho. Afinal, estamos em um país de terras fartas, clima ameno, sol e água em abundância. Condições ideais para uma ótima produção agrícola e pecuária. Não, à toa, somos o “celeiro” do mundo e há quem diga que estamos em um país abençoado por Deus e bonito por natureza. Realmente estamos, mas, quando o assunto é produtividade, isto não basta. É preciso tecnologia, informação e comprometimento para tirarmos deste solo tudo o que ele tem a nos oferecer. 

Apesar de todos os benefícios e facilidades que nos cercam em terras tropicais, nossas pastagens e os demais alimentos ofertados não são capazes de suprir a exigência mineral do nosso rebanho, deixando uma lacuna diária entre necessidade e ingestão. E é neste déficit que devemos sempre estar atentos. 

Assim como o fornecimento e balanço das fontes proteicas e energéticas são de suma importância para o crescimento, manutenção e produção animal, os minerais também são. Afinal, eles fazem parte da constituição dos tecidos e fluidos, atuam como reguladores corporais e catalizadores enzimáticos e hormonais. São fundamentais em todo metabolismo e bom desempenho animal. Desta forma, as exigências minerais variam de acordo com a espécie animal, raça, categoria, idade, nível de atividade e produção.  

Com base nestas informações, animais com mesma exigência nutricional quando em dietas com melhor valor nutritivo e/ou maior oferta necessitam de menor suplementação mineral se comparados a mesma exigência em dietas de baixo valor nutritivo e/ou menor oferta. Assim, podemos, de maneira simplificada, dizer que a necessidade de mineralização é inversamente proporcional à qualidade e quantidade da dieta ingerida. Logo, precisamos conhecer a lacuna entre demanda e oferta para fazermos a suplementação correta e proporcionarmos a melhor resposta animal. 

Sendo assim, a quantidade de minerais a ser suplementada varia de acordo com o alimento ofertado ao rebanho, seja de forma quantitativa ou qualitativa – tornando a necessidade de suplementação indispensável e, ao mesmo tempo, variável ao longo do ano. Porém, apenas quantificar a necessidade de suplementação não basta. Precisamos ir além e, para que a resposta esperada seja possível, é preciso definir entre as diversas fontes de minerais e formas de fornecimento existentes no mercado qual melhor atende cada realidade. Um ajuste fino e customizado de acordo com o cenário a ser trabalhado, a fim de otimizar sua produção, seus índices e sua lucratividade. 

Felizmente, no mercado não faltam produtos e empresas para atender esta demanda. Mas é preciso identificar entre tantas a que melhor nos atende. Precisamos entender que não basta ofertar, é preciso qualidade para garantir consumo e, mais do que isto, para garantir disponibilidade dos íons aos processos metabólicos. Trabalhar com produtos de qualidade e as fontes corretas fazem toda a diferença na hora de colher resultados. 

Diante deste contexto, mineralizar o rebanho é mais do que uma necessidade, ela é uma obrigatoriedade se quisermos alcançar índices cada vez melhores de desempenho animal e produtividade em nossas fazendas. 

Por Paola Gabarra

Leia outras colunas no portal MAB

Relacionadas

Veja também

Inúmeras informações coletadas e trabalhadas por uma assessoria zootécnica de qualidade, somadas ao uso de tecnologia e uma boa visão estratégica de negócio são fundamentais para crescermos e atingirmos nosso máximo potencial. Mas, precisamos aprender a medir!
Apontando a profissão escolhida por ela como a que fala ao seu coração, Paola descreve sua história com a zootecnia e ressalta dificuldades e prazeres dessa atividade em sua vida, assim como sua importância no dia a dia de tantas mulheres do agronegócio
Hoje, para alcançarmos a máxima rentabilidade, se faz necessário a implantação de tecnologias. E para nossa sorte, elas estão à disposição de todos os produtores, dos pequenos aos grandes. Mas, primeiro, é preciso desmistificar o conceito que desembolso diminui o lucro. Pois, na maioria das vezes, o oposto é que se confirma.
Se é! E não é pouco. Produzimos muito, produzimos bem e, melhor ainda, produzimos com responsabilidade e sustentabilidade