O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Genética: cuidado com quem suas éguas andam “namorando”, potros podem se parecer com “ex”!

Trazendo comentários sobre estudos teóricos no quesito hereditariedade, Luiz Alberto Patriota vem falar sobre Epigenética nesta coluna
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
ex da égua
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Lembram daquelas antigas máximas preconceituosas dos velhos criadores de cavalo: cuidado para não “sujar a barriga da égua” com esse ou aquele cavalo? Essa frase referia-se a usar um produto de baixa qualidade para emprenhar uma égua e os eventuais prejuízos que isso podia trazer à sua produção genética. Ou aquela de fazer a primeira cruza da égua com um jumento para “destampar” ou “azeitar” seu aparelho reprodutor?  

Pesquisa mostra que os antigos podem ter razão! Em tempos de FIV (Fertilização In Vitro) e Transferência de Embriões, a discussão fica ainda mais interessante!!! 

Filhos podem se parecer com ex da égua, mostra pesquisa com mosquitos e confirma teoria atribuída a Aristóteles e conhecida por Darwin, que foi rejeitada no início do século XX. Trata-se do que hoje estudamos na Epigenética*.  

Com o estudo da genética, cientistas descobriram uma nova forma de hereditariedade, mostrando que descendentes podem ter características de parceiros sexuais anteriores de sua mãe. Essa teoria, desenvolvida na Grécia Antiga e desacreditada desde o início do século passado, foi demonstrada em mosquitos, como descreve um novo estudo publicado no periódico Ecology Letters.  

Pesquisadores da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, manipularam o tamanho de mosquitos machos e estudaram seus descendentes a partir dessa variável. Eles descobriram que o tamanho dos descendentes era mais influenciado pelo primeiro macho com o qual a mãe havia acasalado do que pelo segundo, que era o pai.  

“Essa descoberta complica toda a nossa visão de como a variação é transmitida através das gerações, mas também abre novas possibilidades e caminhos de pesquisa. Quando pensamos que tínhamos entendido tudo, a natureza nos mostra o quanto ainda temos a aprender”, afirma Angela Crean, professora de ciências biológicas da universidade e uma das autoras do estudo.  

Os cientistas acreditam que esse efeito é causado por moléculas no fluido seminal do primeiro parceiro, que são absorvidas pelos óvulos ainda imaturos da fêmea, de forma a influenciar os descendentes que um futuro parceiro vai produzir. Tendo produzido mosquitos machos grandes e pequenos, por meio de um controle de sua dieta, os pesquisadores fizeram com que as fêmeas, ainda imaturas para a reprodução, copulassem com um macho e, quando já estavam maduras, copulassem com outro. Os descendentes foram estudados, e os cientistas descobriram que, apesar de terem sido gerados pelo segundo macho, seu tamanho era determinado pelo parceiro com o qual a mãe tinha copulado anteriormente.  

“Nós ainda não sabemos se isso se aplica a outras espécies”, explica Angela. Apesar dos grandes avanços na genética, muitas questões permanecem sobre como algumas características são herdadas. A ideia de que o macho pode deixar uma marca no organismo da parceira que venha a influenciar seus descendentes, conhecida como telegonia, é atribuída ao filósofo grego Aristóteles. Ela foi uma preocupação da realeza até por volta de 1300, se tornou uma hipótese científica popular nos anos 1800, e foi conhecida por Charles Darwin até ser rejeitada no início do século XX, por ser incompatível com o conceito de genética. 

* De acordo com artigo publicado na revista Genetics Home Reference, em tradução literal, “o epigenoma compreende todos os compostos químicos que foram adicionados à totalidade do DNA (genoma) de uma pessoa como forma de regular a atividade (expressão) de todos os genes dentro do genoma”. Segundo o mesmo estudo, os compostos químicos do epigenoma não fazem parte da sequência do DNA, mas estão no DNA ou estão ligados ao DNA. As modificações epigenéticas permanecem à medida que as células se dividem e, em alguns casos, podem ser herdadas ao longo de gerações. Isso significa que alterações epigenéticas podem ser transferidas de célula-mãe para célula-filha. Influências ambientais, como a dieta ou a exposição a poluentes, podem impactar no epigenoma e alterar o fenótipo de um indivíduo (característica observável do organismo). 

Fonte: Adaptado Blog Mangalarga Patriota, reportagens Ecycle, Veja. 

Leia outras colunas no portal Mundo Agro Brasil