O que os cavalos nos ensinam sobre liberdade e a vida em sociedade?

A malha de liberdade, respeito mútuo e tradições, sob uma reta e justa jurisdição, que mantém uma manada funcionando, deveriam servir de exemplos para uma boa vida em sociedade.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
O que os cavalos nos ensinam sobre liberdade e a vida em sociedade
Os cavalos, como os humanos, são animais gregários e seu caráter é de viver em grupo – Foto: Divulgação

O cavalo sempre foi um expressivo símbolo de liberdade. Poucos animais conseguem associar tão claramente o sentimento de estar livre, mover-se com independência, de maneira tão direta quanto o cavalo. Quem nunca se imaginou correndo livre por uma praia sobre um belo cavalo com o vento batendo no rosto, braços abertos?

Ainda assim, esses animais, livres por natureza, não conseguem viver sozinhos. Os cavalos, como nós humanos, são animais gregários e seu caráter é de viver em grupo, manadas e, naturalmente, o meio tratou de ajustá-los para uma convivência livre e coletiva ao mesmo tempo. 

Na manada, a justiça, uma retidão natural, reina. As poucas convenções básicas são ensinadas, sabidas e seguidas por todos. O poder jurisdicional é exercido, normalmente, pela égua matriarca. Que o faz com correção, sob pena de, não o fazendo, ser quebrado o “tecido social” que os agrega e todos perecerem.

Na sociedade dos cavalos, a justiça, a retidão e o respeito a todos não são questões de moral, pois aos animais irracionais não pertence essa faculdade, mas uma questão de sobrevivência. E o que deu certo, o aprendizado com os mais antigos, o que chamamos de tradição, é passado as próximas gerações, pois também é item de sobrevivência em uma manada de cavalos.  

Essa malha de liberdade, respeito mútuo e tradições, sob uma reta e justa jurisdição, é o que mantem a manada funcionando! 

De fato, nossos admiráveis cavalos podem nos ensinar muito. Nós que gozamos de racionalidade, inteligência e consciência, temos muito que aprender com eles. Podemos ao observá-los perceber verdades há muito pronunciadas, lembrando do filme “Minha Querida Anne Frank” a fala do professor judeu a seu aluno e algoz nazista:

“…todos os homens, lá no fundo, sabem a diferença entre o certo e o errado, como se todos possuíssem uma bússola, uma bússola secreta que é a mesma para todos, está é a lei moral da qual o filosofo falava e é por isso que não se pode fazer aos outros o que não se deseja que os outros lhe façam”.

Ou como nos deixou em carta o saudoso Papa São João Paulo 2, “A paz deve realizar-se sobre a base da verdade; tem de ser construída sobre a justiça; há de ser animada pelo amor; e, enfim, deve ser efetuada na liberdade. Sem um respeito profundo e generalizado pela liberdade, a paz não será alcançada pelo homem. ” 

Quem sabe, dada nossa aparente dificuldade de aprender com as tradições e formadores que construíram por séculos a nossa sociedade ocidental, possamos aprender um pouco com os cavalos e conseguir, assim, uma verdadeira liberdade e uma boa vida em sociedade. 

Por Luiz Alberto Patriota
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Antes mesmo da idade do Bronze, os cavalos eram usados em guerra e atualmente, no Brasil, seguem sendo usados pelas forças de segurança e pelo Exército Brasileiro. Mas de onde vem esses animais para atenderem todos esses usos e toda essa demanda?
Em sua coluna no portal MAB, Luiz Alberto Patriota fala sobre o trabalho de seleção e melhoramento genético dos criadores de cavalo, que está longe de ser uma ciência exata, relembrando, inclusive, uma citação do criador da raça Mangalarga, Fausto Simões
O colunista do portal MAB, Luiz Alberto Patriota fala sobre a origem da Marcha no Brasil e da predileção por esse tipo de andamento
Na coluna de hoje do portal MAB, Luiz Alberto Patriota traz uma reflexão sobre porquê a maioria das cooperativas prospera enquanto que as associações não seguem pelo mesmo caminho