Associações X Cooperativas

Na coluna de hoje do portal MAB, Luiz Alberto Patriota traz uma reflexão sobre porquê a maioria das cooperativas prospera enquanto que as associações não seguem pelo mesmo caminho
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Associações X Cooperativas
“Sociedade dos Probos de Pioneiros Rochdale” – Foto: Divulgação/Portal do Cooperativismo

A união de pessoas com objetivos comuns não é uma novidade. O associativismo remonta a própria origem da história do homem que busca colaborar mutuamente em busca de benefícios, segurança e bem-estar em comum. As associações, bem como as cooperativas são estruturas formais modernas que refletem grandemente esse desejo antigo do homem. 

Agora estive pensando, se é um desejo tão arraigado e antigo, se vem funcionando tão bem para o desenvolvimento da humanidade por tantos milênios porque ainda há tanta dificuldade em fazer nossas associações modernas, em especial as de criadores, prosperarem? 

Penso que suas primas-irmãs, as cooperativas têm parte da resposta, é sobre essa reflexão que quero jogar um pouco de luz hoje. Porque a maioria das cooperativas prospera e a maioria das associações, não? 

A história do cooperativismo começa no século 19, na cidade de Rochdale – Inglaterra, com a fundação da “Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale”, era uma cooperativa de consumo que vinha tentar dar solução a distorções mercadológicas e trabalhistas surgidas em meio ao auge da revolução industrial inglesa, era uma alternativa que buscavam os fracos, os pequenos, para sobreviver em um ambiente onde só os fortes, os grandes e principalmente, os egoístas tinham vez.

A iniciativa foi um sucesso e o modelo de gestão inaugurado por esses pioneiros iria mudar não só a sua história, mas a história do capitalismo, fundando uma alternativa viável e bem-sucedida de gerir negócios e interesses comuns de maneira sustentável em todos os aspectos, social, ambiental e financeiro. 

Os princípios basilares do movimento cooperativista são:  

1 – Adesão livre 

2 – Controle democrático: “um homem, um voto” 

3 – Participação econômica dos membros 

 4 – Autonomia e Independência 

 5 – Educação, formação e informação 

 6 – Inter cooperação  

 7 – Interesse pela comunidade 

Esses princípios são as condições de fundação e fundamentos de uma cooperativa e são justamente eles que garantem sua sustentabilidade e sucesso. 

Em resumo são termos inegociáveis que garantem que ao invés de todos do grupo puxarem para o seu lado, estarão todos puxando para o mesmo lado. O segredo do sucesso das cooperativas, é uma ideologia muito bem elaborada para garantir que o bem comum prevaleça independente de desejos e forças individuais, são valores que quando colocados em prática de maneira verdadeira tornam qualquer iniciativa de um grupo sustentável e perene, Solidariedade, Responsabilidade, Democracia e Igualdade

Por Luiz Alberto Patriota
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em tempos onde para a maioria das pessoas as palavras de ordem são descartar, reciclar e mudar, ainda há aqueles que ainda preferem manter as tradições
Bolo de cenoura? Cabresto colorido? Festinha de natal com os colegas de cocheira? Não, esses presentes são para os próprios donos.
Em tempos de empoderamento e que querer já é sinônimo de poder, a equitação fica cada vez mais esquecida pelos “cavaleiros” de ocasião.
Nos últimos anos parece ter havido uma certa mudança de prioridades nas vidas das pessoas, uma certa tendência de ver a vida de maneira mais equilibrada, e com isso cresceu à procura pelo o uso de cavalos como atividade de lazer e esporte por pessoas de fora do meio rural