Associações X Cooperativas

Na coluna de hoje do portal MAB, Luiz Alberto Patriota traz uma reflexão sobre porquê a maioria das cooperativas prospera enquanto que as associações não seguem pelo mesmo caminho

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Associações X Cooperativas
“Sociedade dos Probos de Pioneiros Rochdale” – Foto: Divulgação/Portal do Cooperativismo

A união de pessoas com objetivos comuns não é uma novidade. O associativismo remonta a própria origem da história do homem que busca colaborar mutuamente em busca de benefícios, segurança e bem-estar em comum. As associações, bem como as cooperativas são estruturas formais modernas que refletem grandemente esse desejo antigo do homem. 

Agora estive pensando, se é um desejo tão arraigado e antigo, se vem funcionando tão bem para o desenvolvimento da humanidade por tantos milênios porque ainda há tanta dificuldade em fazer nossas associações modernas, em especial as de criadores, prosperarem? 

Penso que suas primas-irmãs, as cooperativas têm parte da resposta, é sobre essa reflexão que quero jogar um pouco de luz hoje. Porque a maioria das cooperativas prospera e a maioria das associações, não? 

A história do cooperativismo começa no século 19, na cidade de Rochdale – Inglaterra, com a fundação da “Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale”, era uma cooperativa de consumo que vinha tentar dar solução a distorções mercadológicas e trabalhistas surgidas em meio ao auge da revolução industrial inglesa, era uma alternativa que buscavam os fracos, os pequenos, para sobreviver em um ambiente onde só os fortes, os grandes e principalmente, os egoístas tinham vez.

A iniciativa foi um sucesso e o modelo de gestão inaugurado por esses pioneiros iria mudar não só a sua história, mas a história do capitalismo, fundando uma alternativa viável e bem-sucedida de gerir negócios e interesses comuns de maneira sustentável em todos os aspectos, social, ambiental e financeiro. 

Os princípios basilares do movimento cooperativista são:  

1 – Adesão livre 

2 – Controle democrático: “um homem, um voto” 

3 – Participação econômica dos membros 

 4 – Autonomia e Independência 

 5 – Educação, formação e informação 

 6 – Inter cooperação  

 7 – Interesse pela comunidade 

Esses princípios são as condições de fundação e fundamentos de uma cooperativa e são justamente eles que garantem sua sustentabilidade e sucesso. 

Em resumo são termos inegociáveis que garantem que ao invés de todos do grupo puxarem para o seu lado, estarão todos puxando para o mesmo lado. O segredo do sucesso das cooperativas, é uma ideologia muito bem elaborada para garantir que o bem comum prevaleça independente de desejos e forças individuais, são valores que quando colocados em prática de maneira verdadeira tornam qualquer iniciativa de um grupo sustentável e perene, Solidariedade, Responsabilidade, Democracia e Igualdade

Por Luiz Alberto Patriota
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em sua coluna no portal MAB, Luiz Alberto Patriota fala sobre o trabalho de seleção e melhoramento genético dos criadores de cavalo, que está longe de ser uma ciência exata, relembrando, inclusive, uma citação do criador da raça Mangalarga, Fausto Simões
A malha de liberdade, respeito mútuo e tradições, sob uma reta e justa jurisdição, que mantém uma manada funcionando, deveriam servir de exemplos para uma boa vida em sociedade.
O colunista do portal MAB, Luiz Alberto Patriota fala sobre a origem da Marcha no Brasil e da predileção por esse tipo de andamento
Na narrativa de hoje, nosso colaborador Luiz Alberto Patriota, fala sobre a alegria de ver o fruto do seu trabalho como criador de Mangalarga sendo prestigiado e se perpetuando na raça