O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Todo dia é dia de carne

Pesquisas, desenvolvimento, esforços e muita dedicação não faltam para garantirmos o alimento e colocarmos carne na mesa de cada cidadão
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Todo dia é dia de Carne. Será? Quem dera fosse assim! E pra todos. Afinal, estamos trabalhando duro pra isso. De sol a sol, de domingo a domingo, esforços desmedidos são gerados para alcançarmos uma produção de qualidade, sustentável e em larga escala com a nobre missão de alimentarmos o mundo. Pesquisas, desenvolvimento, esforços e muita dedicação não faltam para garantirmos o alimento e colocarmos carne na mesa de cada cidadão. Afinal, carne na mesa é sinônimo de riqueza, de saúde, de qualidade de vida.

E, sem querer causar inveja nem nada, estamos indo bem. Muito bem! O agro brasileiro, o nosso agro é, de longe, um exemplo a ser seguido por muitos. Somos excelência global!

Somos o maior produtor de soja, o maior exportador de carne e alimentamos milhões de pessoas ao redor do mundo. O agro brasileiro é, sem sombra de duvidas, o exemplo e a força que nos sustenta nos momentos mais difíceis.

O mundo pode até parar, mas o agro não para nunca.

Então, por que criariam o “dia mundial sem carne”? Afinal, carne é saúde, é emprego, é qualidade de vida e renda para milhares de pessoas ligadas direta ou indiretamente a ele.

Só por curiosidade, esta data foi criada em 20 de março de 1985 nos Estados Unidos pela FARM (Farm Animal Rights Movement) e vem tomando um certo espaço a cada ano. A cada ano, mais pessoas aderem ao “dia sem carne”. Alguns por ideologia, mas, talvez, todos por falta de informação. Não que ela, a informação, não exista ou não esteja disponível. Mas podemos dizer que, é muito mais cômodo seguir a massa, o fluxo a se perder ou se achar em estudos, dados e fatos.

Os criadores e seguidores do 20/03 acreditam que haja um impacto negativo no organismo e no meio ambiente devido à ingestão de carne e sua produção, respectivamente. Isto mostra que, infelizmente, a desinformação sempre foi o maior mal da humanidade e, ao que tudo indica, ainda é. Em pleno 2021, cercados por tecnologias e com informações na palma das mãos, literalmente, muitos ainda preferem replicar mentiras, equívocos e abalar o setor pecuário sem pensar nas consequências que um “simples” gesto pode causar.

Pensando nisso e na polêmica do último final de semana, talvez, a palavra chave seja: Respeito. Ou melhor, a falta dele.

Respeito, empatia, igualdade. Use a palavra que melhor lhe convier. Afinal, cada um tem sua história, sua crença, seus ideais. E isto não faz ninguém superior a ninguém. O espaço de um termina quando começa o espaço do outro.

Cada um escolhe seu caminho e respeito cabe em todo lugar. Não há necessidade de se impor ou sugerir ritmos, hábitos e gostos em ninguém. Estes sempre serão espontâneos e inerentes de cada ser.

Criar datas para induzir ou impor filosofias para quem não as tem é uma tentativa fracassada, infeliz e desrespeitosa. O espaço é de todos e, neste caso, o espaço é todo do agro. E, mais do que nunca do nosso mundo agro brasileiro. Churrasco com cerveja, acompanhados ou não de vinagrete, mandioca, pão, salada e farofa. Carnívoros ou vegetarianos, dentro ou fora de nossas fronteiras, o agro e é uma potência de excelência.

Aos desinformados, não somos quem somos ou chegamos até aqui do nada ou por acaso. Estudamos, pesquisamos, desenvolvemos tecnologias e trabalhamos MUITO para garantir que, um dia, TODOS tenham a possibilidade de escolher #tododiacomcarne ou não.

Acompanhados por qual cerveja? Cada um que escolha a sua.

Prost!