O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Os nomes de nossos cavalos e o cavalo F.D.P.

Há muitas histórias para contar quando o tema é a escolha do nome do cavalo nos Registros Genealógicos, mas esta a seguir é clássica!
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
cavalos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Está preconizado no estatuto de muitas associações, assim como no da ABCCRM, a regulamentação no emprego de nomes para uso nos cavalos nascidos nos haras. Por exemplo, há a proibição do uso de nomes ofensivos e estrangeiros em nossos Mangalargas, no entanto, são vários os nomes exóticos, estrangeiros e até jocosos presentes no Registro Genealógico das Associações.  

Para provocar o debate e talvez algumas boas risadas, segue uma história, realmente pitoresca sobre o nome de um cavalo registrado no Puro Sangue Inglês. 

O cavalo Filho da Puta! 

No ano de 1815, o cavalo que ganhou o St Leger Stakes, em Doncaster, na Inglaterra, foi imortalizado em um quadro a óleo, executado por Herring, um dos grandes pintores da época. Até aí, nada demais. Era costume, naqueles tempos remotos, os vencedores dos grandes clássicos servirem de modelo a um artista, responsável por imortalizá-lo na tela. Então, por que falar disso? Bem, é que o ganhador desse St Leger de 1815 chamava-se Filho da Puta. Isso mesmo, o nosso palavrão. Sabem por quê? Há pelo menos três versões sobre a razão desse insólito nome. A que nos parece mais plausível (e também a mais curiosa), passamos a relatar.  

Consta que o Embaixador português, à época, era apaixonado por turfe e também por uma viúva inglesa com a qual mantinha relações, digamos, maritais. Pois bem, nosso Embaixador compareceu a um leilão de potros e comprou uma potranca à qual batizou de Mrs. Barnett, que era o nome da sua viúva, homenageando, assim, seu britânico amor. Mrs. Barnett (a égua), cumpriu campanha discreta nas pistas inglesas, sofreu uma lesão e não pode mais continuar correndo. Nosso bom português, então, deu-a de presente a um seu amigo da corte, que era também criador de cavalos. Passaram-se mais de 12 meses e neste interregno a viúva “pateou o ninho”, mandando-se com um oficial da armada, bem mais jovem. O Embaixador, é óbvio, não gostou da traição, mas engoliu sua mágoa.  

Num fim de semana, ele foi convidado por seu amigo criador para uma visita ao haras, visto que sua égua estava por parir. E lá se foi nosso herói. Efetivamente, Mrs. Barnett, a égua, pariu um lindo potro e o Embaixador foi levado a examiná-lo. Era de fato um belo espécime equino. Como uma homenagem a seu luso amigo, o Lorde inglês pediu que ele o batizasse com um nome típico de Portugal. O Embaixador, ainda engasgado com a perda de sua ex-amada, lascou-lhe o nome que lhe veio à mente ao ver sua égua com o potrinho ao pé. Filho de Mrs. Barnett, só podia se chamar Filho da Puta. E foi assim que o ganhador do St Leger de 1815 passou para a posteridade. Não por ter sido um grande cavalo. Até que foi muito bom, mas não conseguiu dar continuidade a sua linhagem. Sumiu da história do PSI, mas sua pintura ganhou centenas de milhares de reproduções e hoje enfeita paredes em todos os países de língua latina. A gravura de Filho da Puta, em função de seu nome bizarro, transformou-se no maior best seller do turfe mundial. 

Por Luiz Alberto Patriota, adaptado site Informe Turfe
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras colunas no portal MAB