O que você levaria para a face escura da lua?

Como um exercício de Psicologia me ensinou uma importante lição de vida
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O que você levaria para a face escura da lua
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Todos estes eclipses, Lua de Sangue, pousos em Marte me lembraram de um exercício que fizemos na matéria de Psicologia, na faculdade de Administração de Empresas que cursei. O objetivo oficial era testar conhecimentos gerais e técnicos, e até mesmo bom senso.  

O cenário era sombrio, literalmente: você está numa missão à lua, mas por alguma falha técnica, erra o local previsto e pousa na face escura dela. Imagine os desafios! Divididos em grupos, deveríamos, num primeiro momento, refletir individualmente quais itens, de uma lista dada, levaríamos para a caminhada até a base lunar. Num segundo momento, compartilhar com os demais integrantes do grupo e chegar a um consenso. Aí estava o objetivo oculto do exercício de Psicologia: analisar nossa capacidade de persuasão. Quais e quantos itens, dos que havíamos decidido levar na reflexão individual, constam na lista definida pelo grupo?   

Existem variações, que também fiz: o que levar ao deserto, num naufrágio, mas o princípio é o mesmo. Em todos eles, parece que estamos falando de uma competição por quem tem mais poder sobre os demais, não? Errou! O verdadeiro placar mostrado ao final era quais indivíduos teriam sobrevivido com as suas listas iniciais, e quais sobreviveram, de fato, com a lista definida pelo grupo.  

Principais aprendizados: 

  • De que adianta ter conhecimento, se não souber (ou quiser!) compartilhar com os demais?
  • De que adianta ter um fantástico poder de persuasão, se você estiver errado?

 

Estudos comprovam que pessoas negativas cuidam muito bem de si mesmas, de suas famílias; otimistas também cuidam dos outros, da humanidade, da vida.  

Em recente palestra internacional sobre Sustentabilidade escutei de Solitaire Townsend que o humor é uma excelente forma de promover reflexões e transformações. 

Da próxima vez que olhar para a lua, lembre-se da importância da cooperação, de compartilhar conhecimento, e seja essencialmente otimista, a humanidade precisa disso! 

Sonia Karin Chapman
Diretora 

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

 

Relacionadas

Leia também