O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Controle biológico na pecuária

Novas tecnologias que vieram para ficar
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Devido às nossas condições climáticas, geográficas e ao nosso manejo de produção animal a pasto, a verminose, no Brasil, está presente em 100% do rebanho nacional. Nesse contexto, entre todos os parasitas que acometem nosso rebanho, os nematoides são responsáveis por 90% das perdas econômicas em ruminantes. O prejuízo anual, apenas em bovinos, devido às altas cargas parasitárias de nematoides, ultrapassa a casa dos USD $7 bilhões (Grisi, 2014).

Mesmo dentro desse cenário de perdas alarmantes, por muitos anos, a verminose foi menosprezada. Com isso, há décadas, os prejuízos causados pelos vermes são cada vez mais evidentes e preocupantes, gerando baixos índices zootécnicos e óbito de animais em diversas regiões.

Tentando minimizar esse prejuízo, nos últimos 20 anos, diversas moléculas foram desenvolvidas a fim de eliminar a verminose nos rebanhos e garantir uma maior produtividade dos mesmos. Porém, até mesmo as mais modernas ou com maior concentração não foram suficientes para contornar o problema. A utilização incorreta desses vermífugos, seja por sub-dosagem ou por frequência inadequada de aplicação, gerou um problema ainda maior: a resistência dos vermes às diversas moléculas existentes no mercado. Tal resistência, dependendo da espécie e da molécula utilizada, pode variar de 40 a 90% e tornar o problema ainda maior.

Dessa forma, os vermífugos químicos perderam seu espaço no combate aos vermes, não apenas pela alta resistência dos parasitas às moléculas, mas também pela crescente preocupação com a segurança alimentar da população mundial. Sendo assim, alternativas precisavam ser criadas para contornar os prejuízos na produção de alimentos de origem animal. Baseadas nisso, diversas pesquisas científicas e diferentes metodologias, como manejo nutricional dos animais, manejo de pastagem, seleção de animais resistentes e controle biológico foram desenvolvidas com intuito de controlar a carga parasitária e incrementar a produção animal. Entre eles, o controle biológico mostrou maior eficiência e assertividade nessa proposta. Com sua ação mecânica ou seus metabolomas 100% natural e seguro, os diversos controles biológicos voltados à pecuária ocupam, cada vez mais, uma posição de destaque no mercado.

Atualmente, além do combate à verminose, o controle biológico também tem trazido bons resultados no controle a outros parasitas dentro da pecuária. São as “novas” tecnologias que vieram pra ficar. Assim como na agricultura, o controle biológico se faz cada vez mais presente dentro da nossa pecuária, trazendo excelentes resultados, maior produtividade, maior segurança alimentar e abrindo mercados consumidores. É a sustentabilidade e o ecologicamente correto na mesa de todos nós, expandindo nossas fronteiras e fortalecendo nossa economia. É o agro brasileiro buscando sempre o seu melhor.