Volume de exportações de carne bovina cai 7%

Exportações totais de carne bovina fecham 2021 com queda de 7% no volume. Contudo, a receita aumentou 9% para alívio dos integrantes da cadeia produtiva.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Volume de exportações de carne bovina cai 7%
Exportações totais de carne bovina fecham 2021 com queda de 7% no volume. Contudo, a receita aumentou 9%.
Áudio

Exportações de carne bovina em 2021 (incluindo produtos in natura e processados), apresentaram queda de 7,37% no volume e crescimento de 8,85% na receita em comparação com a movimentação de 2020, informou a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), que compilou os dados Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia

Segundo a entidade, o país movimentou 1.867.595 toneladas em 2021 diante de 2.016.223 toneladas em 2020, ano de recorde na exportação. Graças a elevação do preço do produto nos mercados internacionais, no entanto, a receita subiu de US$ 8,485 bilhões em 2020 para US$ 9,236 bilhões em 2021.

A Abrafrigo também divulgou os números de dezembro das exportações totais. A movimentação no último mês do ano alcançou 151.594 toneladas contra 168.156 toneladas em 2020, queda de 10%. A receita obtida foi de US$ 726,66 milhões, contra US$ 741,26 milhões em 2020, redução de 2%.

Embora tenha reduzido suas importações de 1.182.674 toneladas em 2020 para 950.057 toneladas em 2021 (queda de 20%), a China continua sendo o maior comprador da carne bovina brasileira, através da movimentação realizada pela cidade estado de Hong Kong e pelas compras realizadas pela China continental.

No ano passado, os Estados Unidos se transformaram no segundo maior importador do produto, partindo de aquisições de 59.545 toneladas em 2020 para 148.177 toneladas em 2021, com aumento de 148,9% na movimentação. O Chile se manteve na terceira posição, saindo de 90.403 toneladas importadas em 2020 para 110.626 toneladas em 2021 (+22,4 %).

Mesmo diminuindo suas compras em 42,5%, de 127.953 toneladas para 73.612 toneladas, o Egito ocupou a quarta posição. Os Emirados Árabes ampliaram suas importações em 21,7%, saindo de 40.861 toneladas em 2020 para 49.711 toneladas em 2021, ficando no quinto lugar.

Na sexta posição, as Filipinas saíram de 39.673 toneladas em 2020 para 46.349 toneladas em 2021 (+16,8%), enquanto que a Arábia Saudita ficou em sétimo com queda de 0,5% na movimentação que passou de 41.067 toneladas em 2020 para 40.870 toneladas em 2021. No total do ano, 104 países aumentaram suas importações enquanto que outros 68 reduziram suas compras.

Fonte: Abrafrigo
Crédito da foto: Secretaria da Agricultura de Rondônia

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Projeto Conexão Campo e Cidade traz o IPA, instituto que atua na representação da agropecuária na política nacional. Ele entende que governos devem focar na redução de custos para o produtor
Bunge disse, em nota, que “esta transação contribuirá para a capacidade de originação de grãos”. A nova aquisição é uma empresa especializada em insumos agrícolas