Pecuaristas dos EUA apostam em novas fábricas de carne após pandemia

Centenas de milhões de dólares estão sendo destinados por investidores e pecuaristas norte-americanos à construção de novas fábricas de carne bovina
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Pecuaristas dos EUA apostam em novas fábricas de carne após pandemia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Pecuaristas e investidores dos Estados Unidos estão destinando centenas de milhões de dólares à construção de novas fábricas de carne bovina, depois que o fechamento temporário de enormes unidades de abate no início da pandemia de Covid-19 deixou produtores sem ter para onde enviar animais prontos para serem transformados em carne. 

Um ataque cibernético contra a unidade norte-americana da gigante brasileira JBS, que paralisou quase um quarto da produção de carne bovina dos EUA neste mês, voltou a ressaltar as vulnerabilidades da cadeia de oferta de carnes do país, causando mais dores de cabeça aos produtores. 

Os pecuaristas, assim como o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês), afirmam que o setor está muito consolidado e, dessa forma, depende de apenas alguns grandes processadores e de seus frigoríficos industriais. 

Quatro gigantes do setor – JBS USA, Tyson Foods, Cargill e National Beef Packing Company – são responsáveis pelo abate de 85% do gado engordado com grãos, transformando-o em bifes, costelas e assados para os consumidores. 

As fábricas de carne de menor porte e “startups” têm o objetivo de fornecer aos pecuaristas locais mais espaços para o abate do gado, especialmente aquele criado para produção de carne de maior qualidade. Segundo elas, o aumento no número de plantas pode garantir que parte da produção seja mantida caso grandes instalações venham a fechar. 

Quando grandes frigoríficos fecham, a oferta de carne diminui e os produtores ficam ‘presos’ com o gado que teria sido abatido. Isso significa que o preço do gado geralmente cai, enquanto o preço da carne nos supermercados sobe. 

As longas paralisações em alguns dos maiores abatedouros dos EUA devido a surtos de covid-19 afetaram a produção de carnes na primavera de 2020 (no Hemisfério Norte), resultando na imposição de limites para as compras por consumidores em supermercados e em uma redução nos estoques congelados, que os processadores ainda precisam reabastecer. 

Rusty Kemp notou a necessidade de mais capacidade de processamento após um incêndio em uma fábrica da Tyson Foods em Holcomb, no Kansas, em 2019, que levou os consumidores de carne a lutar por suprimentos e deixou produtores de gado sem ter para onde vender seu gado. Em seguida, ocorreram a pandemia e o ataque ‘ransomware’ à JBS. 

Agora, Kemp planeja inaugurar no outono deste ano uma fábrica de carne bovina de 300 milhões de dólares no Nebraska. “Achamos que o incêndio em Holcomb havia sido um desastre absoluto, mas então a covid apareceu e Holcomb passou a não parecer mais tão ruim”, disse ele. 

A fábrica de Kemp, batizada de Sustainable Beef, vai abater 1.500 cabeças de gado por dia e utilizar a tecnologia de blockchain para que os consumidores possam rastrear cada corte de carne até a fazenda, afirmou ele. 

A Sustainable Beef tem como coproprietários produtores de gado que fornecerão animais à fábrica para abate, em vez dos grandes frigoríficos, acrescentou Kemp. Ele contratou ex-executivos da Cargill (uma das maiores processadoras de carnes) como consultores, devido a seu expertise. 

Fonte: Reuters 
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também

ESG Tech, a próxima onda tecnológica

ESG Tech, a próxima onda tecnológica

O papo sobre sustentabilidade corporativa não é novo, mas ganha outra roupagem com o interesse cada vez maior de consumidores e investidores por negócios realmente engajados com esses princípios. Este é o foco do artigo assinado por Marcos Luz, Head de Tecnologias Avançadas da Minsait no Brasil, apontando que a tecnologia pode prestar grandes contribuições, exercendo um papel central na coleta, verificação e análise do desempenho ESG.

Continue lendo ⠀➡