Leilão Virtual 7 anos de GPB fecha com faturamento de R$ 9 milhões

Dos 4 mil animais ofertados, 72% foram vendidos durante o evento virtual realizado no sábado, 1º de maio, com transmissão ao vivo pelas redes sociais e pelo Lance Rural
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

Um evento que veio para ficar! O Leilão Virtual do GPB – Associação Grupo Pecuária Brasil, realizado no último sábado, 1º de maio, em comemoração aos 7 anos da entidade, foi finalizado com sucesso absoluto. De acordo com o presidente do GPB, Oswaldo Furlan Junior, o resultado foi acima do que esperado. Afinal, a comercialização de 72% dos 4 mil lotes disponibilizados rendeu um faturamento de aproximadamente R$ 9 milhões.

“Por ser um leilão virtual, num volume expressivo de animais, nós podemos dizer que foi um leilão de grande êxito. Um leilão onde os preços obtidos demostraram, mais uma vez, a força do GPB. Um leilão que nós pudemos oferecer muita qualidade e muita genética de raças diferençadas”, frisa o presidente do GPB.

Entre os animais da raça Angus, a média de comercialização das bezerras foi de R$ 3.434,15, das novilhas R$ 3.693,10, dos bezerros R$ 3.884,21 e dos garrotes R$ 4.880. Já dos exemplares da raça Bonsmara, a média das bezerras foi de R$ 3.438,33 e dos bezerros de R$ 3.920.

Nos animais de cruzamento, as médias das vacas ficaram em R$ 4.100, dos bezerros em R$ 3.190, dos bois em R$ 4.800 e dos garrotes em R$ 2.680,91. Depois, com os animais da raça Guzonel as bezerras foram comercializadas com média de R$ 3.000 e os bezerros de R$ 3.750.

Na sequência, os Nelores atingiram médias de R$3.005,21 com as bezerras, R$ 3.256,99 com os bezerros, R$ 4.500 com os bois e R$ 3.752,72 com os garrotes. Por fim, os bezerros Tree-Cross foram comercializados com média de R$ 3.900.

“Os compradores mostraram que acreditam que teremos no segundo semestre uma retomada do mercado interno. Acreditando no que eu sugeri como o preço da arroba para 2021 nos patamares de R$ 370”, acrescenta Furlan.

leilao gpb aniversario 7 anos
72% dos 4 mil animais disponibilizados foram vendidos no leilão – Foto: Divulgação/GPB
Parcerias importantes x foco no bem-estar animal

Sobretudo, o presidente do GPB faz questão de frisar o trabalho impecável das experientes leiloeiras que promoveram o Leilão Virtual 7 anos de GPB. Foram elas: Agro Prime, Bauru.com Leilões, Lucas Verdó Leilões e Disk Boi. Além disso, ele destaca o comando do remate pelos leiloeiros Catatau e Beto Leão, que ditaram o tom da pecuária mostrando que o mercado da arroba para 2021 é firme e a reposição muito valorizada.

Com transmissão ao vivo pelas redes sociais e pelo Lance Rural, o Leilão do GPB contou com cerca de 35 mil usuários ativos acompanhando cada lance. “Mas, sem dúvidas, o ponto alto do evento foi o entendimento das partes em que o leilão virtual veio pra ficar”, reforça Furlan. “Acima de tudo, porque esse formato prioriza o bem-estar animal, onde o animal não é levado ao estresse, não tem risco de perda de peso e o transporte é de boa qualidade. Não existe maus tratos e muto menos desidratação. Os animais saem da sua origem direto para o seu destino”.

E o presidente ainda finaliza dizendo: “O GPB gostaria de agradecer, principalmente, os vendedores e compradores que foram eles que tornaram possível a realização desse leilão que, pela segunda vez, mostrou muita organização, competência, transparência e, principalmente, credibilidade. Não poderíamos deixar de agradecer também os nossos patrocinadores que acreditaram no nosso trabalho. Muito obrigado a todos”, finaliza.

Instagram: @gpb_oficial | Facebook: grupopecuariabrasil | Youtube: Canal GPB – Grupo Pecuária Brasil

Fonte: Redação Agrovenki
Crédito da foto em destaque: Divulgação/GPB

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

 

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.