Freio de Ouro na Expointer 2021

Pela primeira vez em 40 anos de história, a grande final da competição Freio de Ouro será disputada fora da Expointer
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Freio de Ouro na Expointer 2021
O cavalo Crioulo é uma das principais alavancas da equinocultura brasileira
Áudio

No Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, no Rio Grande do Sul, foi realizada neste domingo, 5, a última etapa classificatória do Freio de Ouro, prova tradicional que é a principal ferramenta de seleção da raça crioula. A grande novidade foi a volta do público. Mesmo com número reduzido de pessoas, por causa da pandemia, a volta do público significa muito para os criadores.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), Onécio Silveira Prado Junior, a pandemia foi um período muito difícil, em que foi preciso mudar o calendário. “Mas o importante é que a prova foi mantida e, agora, com a volta gradual, respeitando todos os protocolos necessários, podemos ter a volta do público e para a final vamos tentar aumentar esse número”, disse.

Pela primeira vez, classificatória aberta do Freio de Ouro 2021 ocorre na Expointer. A prova da mangueira é dividida em duas etapas. Na primeira, o ginete tem 30 segundos para apartar os animais. Na segunda etapa, o objetivo é encostar o dorso do cavalo no gado, movimento chamado de pechada. Três juízes avaliam os movimentos e dão notas que variam de zero a 10.

A segunda parte da competição acontece na arena externa do Parque Assis Brasil. A prova Bayard Sarmento é muito técnica. Exige do cavalo disciplina, força, velocidade. E comando do ginete. Com o piso encharcado por causa da chuva, o desafio foi muito maior neste ano.

Nas fêmeas, o primeiro lugar da classificatória ficou com a égua Na Lua do Ouriço, da Cabanha do Ouriço, de Carazinho (RS), montada pelo ginete Guto Freire. Já nos machos, a vitória foi do cavalo Justiceiro do Mano a Mano, das cabanhas Três Trotes, Trigo Limpo, Águia e da Estrela e Marca Onze, de Teutônia (RS), guiado pelo ginete Cláudio dos Santos Fagundes.

Eles são os últimos classificados para a grande final do Freio de Ouro, que neste ano será realizada em evento único, entre 29 de setembro a 3 de outubro. Neste ano, a ABCCC realizou cinco etapas classificatórias, sendo duas internacionais, uma na Argentina e outra no Uruguai. Pela primeira vez, em 40 anos de Freio de Ouro, a final da competição está fora da programação da Expointer.

Fonte: Canal Rural/Freio de Ouro

Foto: Justiceiro do Mano a Mano (Leandro Vieira)

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.