Desafios para o controle de Salmonella na cadeia de produção de incubatório

O médico veterinário, Felipe Kroetz Neto, Supervisor Regional de Serviços Técnicos da Aviagen, abordou o tema durante simpósio online
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

A rotina dentro de um incubatório envolve o manejo de um grande número de ovos embrionados e pintinhos de diferentes origens em um mesmo ambiente, facilitando a propagação de diversas enfermidades, entre elas a Salmonella. Somado a esse fator é preciso lidar com a elevada carga bacteriana, que pode se caracterizar pelas entradas constantes de ovos e materiais de diversos fornecedores, bem como a saída regular de pintinhos. 

Frente a esses desafios, o médico veterinário, doutorando em Reprodução Animal pela USP-SP e Supervisor Regional de Serviços Técnicos da Aviagen, Felipe Kroetz Neto, abordou o tema “Desafios para o controle de Salmonella na cadeia de produção de incubatório“, durante o Simpósio “Salmonella: Atualizando controle e tendências” da FACTA (Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícolas), no primeiro dia do evento, no final de abril. 

Para o especialista, fatores inerentes ao incubatório podem gerar condições ideais para a ocorrência de problemas como a disseminação de patógenos, com consequentes perdas embrionárias e de pintinho, má qualidade no produto e dificuldades com fatores microbiológicos e/ou fisiológicos que levarão a prejuízos. “Por isso a necessidade da implantação de rígidas medidas de controle sanitário do incubatório, envolvendo o maior número de aspectos possíveis para biossegurança e um efetivo programa de monitoramento da eficácia das medidas adotadas e da qualidade do produto final”, explicou Kroetz Neto. 

A simples adoção de sanitização sem controle posterior para avaliação da eficácia não é o suficiente. É preciso ter em constante ação o uso de procedimentos, tais como o HACCP, BPF e/ou POP’s e a rastreabilidade para restringir a entrada e controlar, por meio da matéria-prima que neste caso é o ovo, a contaminação por patógenos. 

“É fundamental adotar medidas de garantia de fluxo de áreas, pessoas, materiais e equipamentos que reduzam a proliferação de bactérias. A atenção deve ser redobrada com os carrinhos e bandejas que entram na granja e retornam, pois, estes são os meios mais comuns de trânsito e contaminação do incubatório“, alertou o médico veterinário. 

Por isso os cuidados com a higienização em caixas de pintos – que vão para o produtor e retornam ao incubatório – se tornam relevantes para a atividade. Realizar as lavagens com água quente e com o uso correto de detergente e desinfetantes podem fazer a diferença na retirada dos microorganismos alojados na superfície. 

Debatendo a Salmonella

Por se tratar de uma doença de saúde pública, a Salmonella é um dos termos mais relevantes da cadeia avícola. Especialistas, técnicos, pesquisadores e empresas buscam soluções no controle dessa bactéria desde o preparo dos alimentos para as aves até o alimento entregue ao consumidor. “A Salmonella não é exclusividade do mercado brasileiro, no qual, os profissionais da cadeia avícola têm buscado as melhores maneiras de controle, mantendo-as em níveis mais baixos possíveis, através da busca de medidas que restrinja a entrada dessa bactéria em nosso parque criatório, através da biosseguridade“, apontou Kroetz Neto. 

Sobre a Aviagen 

Desde 1923, a Aviagen tem sido a empresa global preferida em genética avícola, com a missão de ajudar seus clientes – produtores mundiais de carne de frango – a fornecer uma proteína saudável e sustentável para suas comunidades em constante crescimento. Aplicando seus valores corporativos de “Breeding Sustainability“, a Aviagen implementa ferramentas que promovem a produção comercial de frangos com foco no meio ambiente e na responsabilidade social, além do benefício econômico dos produtores, ao mesmo tempo em que promove o rendimento, a saúde e o bem-estar das aves. 

Fonte: Aviagen
Crédito da foto: Divulgação/Canva

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Intitulado de SONDA, a nova solução da empresa combate as principais plantas daninhas que afetam a produtividade na lavoura