O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Se o seu jeans falasse

Pergunta rápida: onde acontecem os maiores impactos ambientais, nessa peça que todos utilizamos?
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

É possível que venham à mente imagens de rios coloridos, contaminados, devido ao não-tratamento de resíduos, pessoas com alergias, por não terem ou usarem proteção individual ao exercerem suas funções na fase do tingimento. Talvez imensos campos de algodão, e a noção da necessidade de irrigação e de aplicação de defensivos agrícolas, ou, ainda, grandes máquinas de tecelagem, com seu consumo de energia.

Quando faço esta simples pergunta em minhas aulas e palestras, recebo palpites de todas as fases do Ciclo de Vida de um jeans. Raramente me perguntam de quais impactos estou falando, porque são muitos, desde os mais conhecidos, como o consumo de água e energia, a geração de resíduos, a já famosa pegada de carbono, mas tem também o uso da terra, e vários outros.

Mensurar, avaliar, não se pode administrar o que não se pode medir

Uma marca de jeans executou uma Avaliação de Ciclo de Vida, metodologia que se propõe a responder estas e muitas outras perguntas. A técnica considera questões como: onde e como o algodão foi plantado, qual a composição do jeans, qual foi o modal de transporte utilizado, onde está o usuário, o que ocorre na fase do uso do jeans e no seu descarte?

É fundamental compreendermos a origem dos dados deste e de qualquer estudo. Neste caso, a marca analisou o perfil e os hábitos do seu consumidor-alvo, nos Estados Unidos. Através de gráficos, a empresa demonstrou claramente os impactos ambientais em cada fase do Ciclo de Vida do jeans. E, adivinhem: o maior consumo de água, energia e a emissão de gases causadores do efeito estufa, ocorre na fase do uso do jeans! No mínimo, essa constatação gera reflexões.

Importantíssimo esse tipo de chamado ao engajamento individual, porque as nossas decisões de consumo têm muito poder! Selos têm adquirido a função de nortear essas decisões, como o Procel, nas geladeiras.

Rótulos também têm informações muito ricas. Mas quem tem o costume de lê-los (compreendê-los), antes de fazer uma compra? Conheci os idealizadores de um aplicativo que se chama “Desrotulando”. Baixando no celular, escaneia o código de barras do produto, ali, na gôndola, e “traduz” informações complexas em indicadores de fácil compreensão.

Na revisão do meu carro me recomendaram uma lavagem “sustentável”. Perguntei o que seria isso – o único argumento era que um produto aplicado em um pano dispensava o uso de água, mas como e onde foi produzido o pano? O que acontece com ele ao final de sua vida útil? Não obtive respostas, claro, e decidi não lavar o carro, ponto.

Informe-se, questione, pense Ciclo de Vida, faça uso do seu poder como consumidor e cidadão.