Desenvolva sua capacidade de liderar melhorando suas relações

A colunista do portal MAB Flávia Ramos, a 'Amazona de Si', traz uma reflexão sobre a importância de aprendermos a melhorar as relações com as pessoas ao nosso redor a fim de criar conexões reais, para, assim, prosperar na vida, seja no âmbito profissional ou pessoal.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
capacidade de liderar
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Sempre insisto em dizer que uma boa liderança é reflexo de boas relações. Não necessariamente do networking ou de bons contatos, mas de relacionamentos sinceros e respeitosos consigo mesmo, com seu chefe e com sua equipe, com aqueles que estão ao seu lado no dia a dia, entregando seus talentos para que se cumpram as metas individuais e coletivas. 

Aprender a se relacionar é não só a chave para prosperar no campo profissional como também no pessoal. E quando falo em se relacionar, me refiro ao exercício constante de criar conexão real com o outro, de desenvolver habilidades como a empatia e a escuta, de aprender a enxergar as coisas por outro ângulo que não só o seu. Falo em observar suas habilidades e limitações, assim como as do outro, e tratá-las com o respeito devido. 

Em outras palavras, entendo a liderança como uma contínua prova em que se joga junto, onde a hierarquia é sinônimo de tempo de estrada, de sabedoria, um tipo de virtude que apenas une e cria confiança, nunca afasta – um constante exercício de relacionamento humano. 

Por isso mesmo, acho curioso notar que muitas corporações formam seus times a partir de relacionamentos pautados no medo, na intriga e na obediência. As pessoas não revelam opiniões e fazem somente o “que tem que fazer”. Uns se protegem dos outros para não perderem seu lugar. Nos sobram chefes, mas faltam líderes de verdade. E se você se encontra em meio a esse cenário, sugiro que repense suas escolhas porque precisamos, de verdade, criar novas realidades e transformar esses velhos modelos tão ineficientes. 

Na minha grande escola de vida que foi e ainda é o hipismo, as coisas só podem funcionar direito se os relacionamentos foram saudáveis. Eu só direciono um cavalo se puder me colocar no lugar dele, se puder dar espaço para ele se expressar e me mostrar o que precisa, até onde pode ir, o que gosta ou não. Da mesma forma, tenho um mestre no chão que nos observa de fora, que transmite seus conhecimentos e contribui para nosso alinhamento e boa performance. Ele, às vezes, pede para montar o cavalo para poder senti-lo melhor e me deixa no chão enxergando meu parceiro de outra perspectiva. 

É essa constante troca de papéis que faz da relação um espaço tão rico, que permite que um sinta na pele o universo do outro, que criemos uma escuta profunda e encontremos juntos os melhores caminhos. Da mesma forma, no mundo coorporativo, é só quando um diretor desce para o “chão de fábrica” e cria pontes com toda a equipe que ele compreende que direção tomar. Ele não passa por cima de seus gerentes, ele apenas se dá a oportunidade de ver as coisas de outro lugar. Da mesma forma, ele não estimula o jogo de intrigas, ele apenas abre o espaço para ouvir a equipe – e ele estimula que a equipe se expresse de verdade. 

O bom líder está sempre cultivando laços, azeitando suas relações e cuidando para que a confiança entre seus pares não se quebre, porque sem ela não há mais time. Ele está disponível para ouvir o outro e deixá-lo brilhar em seu melhor e cobri-lo em suas fragilidades. Ele se coloca no lugar do outro e também se revela, deixando que sua realidade seja acessível para a equipe. Ele sabe jogar junto. Ele sabe formar equipes campeãs. 

Por Flávia de Oliveira Ramos/Amazona de si
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

 

Relacionadas

Leia também

Nutrição de Éguas Reprodutoras

O sucesso de uma criação de cavalos depende grandemente da capacidade reprodutiva de seu plantel. Éguas dependem de uma dieta balanceada para obter uma nutrição adequada, que permita desempenho máximo em sua função reprodutiva, seja em termos de fertilidade ou de capacidade de gerar e nutrir um potro

Continue lendo ⠀➡