Desigualdade de gênero: como saltar esse obstáculo?

A verdade é que essa diferenciação de gênero existe até hoje para sustentar uma série de outros vícios tão patriarcais e danosos para a nossa sociedade como um todo

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Desigualdade de gênero como saltar esse obstáculo
Amazona Luciana Diniz montando a égua Fit for Fun

Entre as tantas coisas que aprendi, e aprendo sempre, com o hipismo, posso destacar a naturalidade como lidamos com questões como igualdade de gênero. Essa é a única modalidade olímpica em que homens e mulheres, machos e fêmeas, competem por igual. Assim como jovens e seniors também disputam as mesmas provas, sem distinção de idade. Em cima do cavalo prevalece o preparo técnico e a conexão da dupla, o bom preparo físico e a sensibilidade dessa parceria atuando juntas. 

Ter vivido desde menina nesse ambiente me fez compreender que a desigualdade de gênero é algo que mantemos para sustentar uma série de outros vícios tão patriarcais e danosos para a nossa sociedade como um todo.  

Homens e mulheres donos de si, conhecedores da própria potência, confortáveis em sua vulnerabilidade, são seres humanos inteiros e despertos, capazes de realizar o que for preciso. Mas por que ainda vivemos nos contentando em viver presos a limites e distinções tão duvidosas? Por que ainda escolhemos o medo de ousar ser quem somos e nos acomodar em sistemas que simplesmente “funcionam assim”? 

O mais recente estudo do IBGE – Estatísticas de Gênero: Indicadores Sociais das Mulheres no Brasil  nos revela o que a gente já sabia: menos mulheres em cargos de liderança, salários pelo menos 25% menores do que o dos homens, etc. Qual o sentido real de seguirmos perpetuando essa realidade? Por que ainda nos negamos a olhar para dentro e ver de que forma nós, com nossas crenças e hábitos, contribuímos para a manutenção desse cenário? 

Cada qual com suas particularidades, homens e mulheres estão na vida sendo desafiados pelos mesmos obstáculos. Nessa prova do viver não há distinção: o comando é evoluir integralmente. E esse desafio é particular, individual e rigoroso. Leva medalha quem aprende a deixar de se boicotar em suas tão variadas formas. Quem se rende à humildade e pode se reconhecer frágil e em constante trabalho de (re)construção. Na prova da vida os obstáculos chegam mesmo quando não treinamos o suficiente, e nessa hora, ser homem ou mulher, macho ou fêmea, não faz diferença alguma. 

No hipismo o cavalo é o grande atleta. Os holofotes são sempre deles e não muito dos cavaleiros e amazonas. É ele a força motriz, a grande potência. Na vida também é assim. Quando estamos montando em nosso cavalo – nosso animal, despertos em consciência, firmados em nossa potência, homens e mulheres deixam de ser diferenciados por seu gênero simplesmente porque estão inteiros, compartilhando sua força com o mundo. 

Uma mulher não é mais frágil que um homem se estiver montada em seu animal, segura de sua potência. Um homem não é menos sensível do que uma mulher se estiver montado em seu animal, confortável em vivenciar seus sentimentos. Na medida em que nos autoconhecemos e nos tornamos líderes de nós mesmos, fronteiras aparentes como essas deixam de existir. Elas foram construídas pelo medo e se dissolvem na medida em que conhecemos de perto e confiamos em nosso poder e na nossa singularidade. 

Por Flávia de Oliveira Ramos/Amazona de si
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Em sua coluna de hoje no portal MAB, Flávia Ramos, a ‘Amazona de Si’, nos provoca a olhar para dentro e refletir sobre essa busca incessante por reconhecimento do outro, quando, na verdade, trata-se de algo interno
A colunista do portal MAB Flávia Ramos, a ‘Amazona de Si’, traz uma reflexão sobre a importância de aprendermos a melhorar as relações com as pessoas ao nosso redor a fim de criar conexões reais, para, assim, prosperar na vida, seja no âmbito profissional ou pessoal.
Nossa colunista Flávia Ramos, a ‘Amazona de Si’, traz essa semana um assunto interessante que envolve a habilidade de identificar nossas virtudes e nossos pontos fracos, inserindo, é claro, o seu costumeiro comparativo junto às percepções do hipismo
Nossos modelos necessitam, com urgência, de uma baita revisão. Conceitos engessados já não funcionam mais e precisamos observar como foi que eles se cristalizaram.