Como você cuida das pastagens de sua propriedade quando são utilizadas num sistema de suplementação?

Nenhuma suplementação é eficiente se não tiver um mínimo de pasto

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Gosto muito de suplementação e sempre escrevo artigos a respeito, mas nenhuma suplementação é eficiente se não tiver um mínimo de pasto, de facho como costumamos dizer. Para que possamos sempre ter na fazenda pastagens de qualidade é bom seguir algumas regras muito simples.

Então, como e quando sei que tenho um bom pasto? As forrageiras “mais comuns” e mais conhecidas do nosso país são na sua maioria dos gêneros, Brachiaria, Panicum, Cynodon, Setária, Andropogon e Hyparrhenia. Dentre esses gêneros temos inúmeras espécies a escolher. Cada gramínea tem sua peculiaridade, tipo de crescimento, adaptabilidade e cada uma delas irá perpetuar a um determinado tipo de solo, índice pluviométrico, temperatura e todos os fatores ambientais correlacionados.

Não cabe aqui, neste artigo, falar qual é a melhor espécie de capim para engorda num sistema de suplementação a pasto, e sim como ela deve estar do inicio ao fim do período de engorda determinado. Toda e qualquer gramínea tem seu valor nutritivo aumentado se bem manejada. Unindo as qualidades intrínsecas de cada espécie mais o manejo, todas têm seu papel fundamental no processo de engorda, como volumoso.

Portanto, quando utilizamos as pastagens de forma errada, ou mesmo subutilizamos, perdemos todo seu potencial nutricional. Como o próprio nome diz, suplementação a pasto é atender às exigências nutricionais dos animais nos diferentes sistemas de engorda, completando o que falta nesse pasto.

Existem maneiras de saber como a pastagem está; com análises bromatológicas (da planta, folha e colmos), bem como análises do solo para determinar qual o nível nutricional naquele determinado período. Assim pode ser definido o sistema de engorda (nível de suplementação) “complementar”, ou seja, o que está faltando para que se atinja o desempenho determinado.

Cada espécie a ser utilizada tem um crescimento único, que varia com as condições descritas mais acima, e esse crescimento é condicionado à boca do boi, ao pastejo e, a altura desse pastejo tem de ser respeitada. Através de diversas instituições de ensino e pesquisa já temos esses dados à disposição para consulta de nossas espécies forrageiras. São muito precisos, basta respeitá-los.

Adotar a prática de colocar os animais pra pastar na melhor altura (máxima) de entrada para cada espécie forrageira e retirá-los na melhor altura (mínima) pra retirada dos animais, portanto, faz toda diferença no sistema – preserva a longevidade e qualidade da planta e do solo e explora o maior potencial de ganho da mesma.

Esse manejo deve ser respeitado tanto em pastejo contínuo, bem como nos sistemas alternados e rotacionados. Conforme o nível de concentrado da dieta adotada, podendo ir de 0,1 a 2,2-2,3 % do PV (peso vivo), o animal supre a necessidade do volumoso (fibra) com o pastejo de maior intensidade a menor intensidade. Denominamos isso de efeito substitutivo. A cada aumento do nível de concentrado, diminuí a quantidade de pastoreio. Permite um controle mais efetivo da altura das pastagens, incrementando um bom nível de ganho de peso do animal e uma melhor conservação da forragem.

A dica é respeitar a natureza das espécies forrageiras para que possamos ter sempre pastos de qualidade e, às vezes, para isso, temos também que recorrer à reposição de nutrientes no solo e para as plantas com adubações. Deve ser recomendada por pessoal técnico especializado e através das análises laboratoriais.

Um pasto bem cuidado pode durar muitos anos sem ser replantado.

Relacionadas

Veja também

Roberto Zillo propõe em sua coluna que os pecuaristas façam uma retrospectiva geral de sua produção até aqui, a fim de obter resultados mais satisfatórias na atividade
O colunista do portal MAB Luiz Roberto Zillo ensina o passo a passo de como fazer o planejamento da atividade pecuária a fim de tornar o negócio ainda mais rentável
O colunista Beto Zillo levanta uma questão interessante para se discutir, ou seja, o que se tem no país de alternativas como fontes de nutrientes muito viáveis à substituição ou mesmo complementação de insumos tradicionais
É preciso avaliação, pois cada propriedade tem sua característica, sua topografia, sua localização, seu tipo de solo.