Como anda a tropa da fazenda?

Muitas vezes os animais de serviço são insubstituíveis
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Muitas vezes os animais de serviço são insubstituíveis

Quando visito uma fazenda pela primeira vez, gosto de observar e conhecer a tropa de serviço. Afinal ela é a frota dos vaqueiros. Será?

Pois bem, de alguns anos para cá, com a inclusão de tecnologias na pecuária, novos métodos de suplementação a pasto pedindo agilidade nas tarefas do dia a dia, houve uma significativa troca de frota animal pela mecânica. Falo das motos, dos triciclos, dos quadrículos que vêm, de certa forma, tomando espaço dos cavalos. Na verdade, a tropa aumenta muito, mas em cavalos vapor.

Deixando a brincadeira de lado, quantos de vocês cuidam da tropa como ela merece?

Sei que novos tempos chegaram, sou a favor das motos, mas temos sempre que ter um cavalo de lida, pois em muitos serviços eles são insubstituíveis.

Algumas vezes pergunto quando faço diagnóstico de uma propriedade onde utilizam motocicletas qual a gasolina utilizada nesses veículos. Uns dizem comum mesmo e muitos relatam que utilizam a aditivada.

É importante ter uma manutenção periódica nessas motos, pois geralmente estão longe dos centros urbanos onde devem ser feitas revisões e reparos caso necessite. Ela tem que estar em bom estado pra não deixar o vaqueiro na mão nem o serviço pra trás.

Mas, e com a tropa? Qual aditivo você costuma utilizar? Na maioria das vezes ouço: ‘dou sal mineral para equinos, vermífugo em pasta e, às vezes, um cálcio injetável’. Outras vezes, ouço: ‘a tropa lambe o sal do cocho dos bovinos mesmo’; e alguns até arriscam um milhinho de vez em quando. Mas geralmente vejo um completo descuido para com eles.

A tropa deve ser tratada como o patrão trata o triciclo dele. Devemos oferecer, além dos minerais necessários pra a mantença, algo a mais pra trabalho e serviço pesado. Adquirir ração concentrada pelo menos de manutenção. Ou produzir na fazenda mesmo, mistura com rolão de milho, por exemplo.

Procure ter um pasto destinado apenas aos animais de serviço comum, capim de boa qualidade e de fácil colheita, pois existem alguns mais específicos como as estrelas, o Tífton e algumas novas variedades lançadas recentemente.    

Ver o gado, as pastagens, as cercas torna o animal insubstituível muitas das vezes. Observar um lote de gado de cria, por exemplo, é tarefa pra estar montado em um cavalo. Observação de cio, fazendas com o relevo íngreme, apartação de lotes entre outras atividades tornam o animal indispensável.

Portanto, não devemos nunca deixar de tratar a tropa como ela merece. Pense nisso, consulte os vaqueiros sobre a tropa, eles sabem como ninguém como deve ser tratado um animal de trabalho e conhecem um a um. Afinal, é muitas vezes o companheiro de horas de lida, e carrega a responsabilidade de estar sempre em boas condições para que não cause acidentes aos seus comandados.

Pense nisso. O Bem-Estar Animal também vale para toda a tropa.

Relacionadas

Veja também

Roberto Zillo propõe em sua coluna que os pecuaristas façam uma retrospectiva geral de sua produção até aqui, a fim de obter resultados mais satisfatórias na atividade
O colunista do portal MAB Luiz Roberto Zillo ensina o passo a passo de como fazer o planejamento da atividade pecuária a fim de tornar o negócio ainda mais rentável
O colunista Beto Zillo levanta uma questão interessante para se discutir, ou seja, o que se tem no país de alternativas como fontes de nutrientes muito viáveis à substituição ou mesmo complementação de insumos tradicionais
É preciso avaliação, pois cada propriedade tem sua característica, sua topografia, sua localização, seu tipo de solo.