Atenção aos cochos de suplementos

Importante escolher o melhor modelo, espaçamento adequado na linha de cocho, mas há alguns fatores que só a observação a campo mostrará
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Muito discutido entre pecuaristas, a distribuição e tamanho dos cochos nos diversos sistemas de produção de bovinos é uma prática que parece fácil, porém requer muita atenção. Cochos são indispensáveis para o uso correto dos diversos suplementos existentes no mercado. A eficiência na produtividade da bovinocultura está diretamente relacionada com o correto fornecimento desses insumos, bem como a manutenção das boas condições de saúde do rebanho.

Inúmeros são os trabalhos e experimentos feitos por instituições de ensino agrário e iniciativa privada que contemplam o melhor modelo e o espaçamento adequado e recomendado por animal na linha de cocho. Empresas de insumos trazem as indicações na embalagem ou em seus manuais, mas, além dos critérios preestabelecidos, devem-se levar em consideração outros fatores que só a observação a campo mostrará.

Qual o melhor tipo de cocho? O melhor é o que está ao seu alcance, aquele que você consegue construir, que cabe no seu orçamento. No entanto é bom lembrar que deve ser seguido o mínimo de estrutura para fornecer o suplemento do sistema de produção escolhido. Os cochos podem ser de madeira, cobertos, descobertos, de tambores plásticos, cimento, concreto, ferro, pneus, lonas, enfim, há inúmeros modelos a escolher. O que é bom e funciona em uma propriedade não é necessariamente adequado ao seu sistema. Conhecer sistemas que já dão certo é sim uma ótima opção, e também fundamental para tomada de decisão.

Levar em consideração o local de instalação, que deve ser de fácil acesso, próximo a locais onde os animais se concentram mais, de preferência um pouco mais alto do nível do terreno, para que não se acumule água e lama ao redor; próximos as aguadas; ter o tamanho adequado para a quantidade de animais que terão acesso, com boca larga, bem como adequado ao tipo de suplemento as ser utilizado, e procurando ter sobra de cocho independentemente do sistema adotado.

Cocho não pode ficar vazio, a não ser para suplementos com ração balanceada fornecida diariamente. Portanto, a frequência de inspeção aos cochos deve ser no máximo a cada dois dias (minerais linha branca). Ele deve ser completado na falta do produto e é preciso observar se está ocorrendo empedramento. Isso favorece o controle de estoque para eventual falta dos produtos. Quando da utilização dos suplementos com uréia, tomar o cuidado com acúmulo de água. Pode ser tóxico.

Uma dica importante é: após colocar o suplemento nos cochos, procure ficar por um tempo à distância, observando o comportamento dos animais. Pode estar aí a grande dica pra se ter uma qualidade satisfatória no fornecimento e aumento da produtividade do rebanho. Deve-se observar se há dominância de alguns animais sobre outros (alguns têm medo de chegar ao cocho). Verificar também se todos estão comendo e se falta espaço para mais animais comerem ou se alguns sequer ficam perto para se alimentar, e daí tomar as medidas necessárias para ajustar o fornecimento e separação dos animais-problema.

Quem observa o comportamento dos bovinos tem grande chance de obter sucesso na sua produção.

Relacionadas

Veja também

Roberto Zillo propõe em sua coluna que os pecuaristas façam uma retrospectiva geral de sua produção até aqui, a fim de obter resultados mais satisfatórias na atividade
O colunista do portal MAB Luiz Roberto Zillo ensina o passo a passo de como fazer o planejamento da atividade pecuária a fim de tornar o negócio ainda mais rentável
O colunista Beto Zillo levanta uma questão interessante para se discutir, ou seja, o que se tem no país de alternativas como fontes de nutrientes muito viáveis à substituição ou mesmo complementação de insumos tradicionais
É preciso avaliação, pois cada propriedade tem sua característica, sua topografia, sua localização, seu tipo de solo.