Até quando você vai esperar ser reconhecido?

Em sua coluna de hoje no portal MAB, Flávia Ramos, a 'Amazona de Si', nos provoca a olhar para dentro e refletir sobre essa busca incessante por reconhecimento do outro, quando, na verdade, trata-se de algo interno
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Até quando você vai esperar ser reconhecido
Premiação do Adestramento por equipe dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 – Foto: Reprodução/Clube do Hipismo

Depois destas Olimpíadas nos resta esta grande pergunta? Até onde somos capazes de ir em busca de ser reconhecido? Vimos inúmeros exemplos nos pódios e, principalmente, fora deles.  

Já vi pessoas cheias de talento desperdiçarem suas carreiras ansiando por reconhecimento. Uma promoção que não acontece, um aplauso que não é ouvido, uma medalha que não chega. Isso me faz questionar o que, de fato, significa ser reconhecido; o que é o verdadeiro reconhecimento. 

Passamos muito tempo de nossas vidas querendo provar nosso valor, voltados para essa aprovação que vem de fora, da plateia. Uma plateia muitas vezes composta por familiares, pessoas que amamos e que depositam expectativas em cima de nós. Então, seguimos galgando resultados palpáveis que mostrem aos outros que pegamos a direção certa, que estamos fazendo o que tinha que ser feito. Mas será que era esse mesmo o caminho almejado? 

Entendo o reconhecimento como algo interno, aquele contentamento por ter percorrido um bom caminho. A certeza de ter se conectado com o seu melhor e com o melhor do outro para alcançar uma meta, um resultado que faça sentido. E isso só é possível quando há confiança, em si e no entorno; quando há propósito, entrega e dedicação; quando você se permite testar seus limites e apostar nos seus sonhos. As promoções, os bônus ou os pódios são apenas os símbolos que sinalizam que a trajetória foi bem percorrida – o problema é que muitas vezes fazemos delas nossas metas. 

Quando a meta é alcançar uma posição, deixamos de aproveitar o que mais importa: os desafios do caminho. São eles os grandes professores da vida, que nos estimulam a nos superarmos, nos transformarmos, nos conhecermos. Quando a meta é alcançar uma posição, deixamos nas mãos do outro o reconhecimento do nosso sucesso. Nos “desempoderamos” da nossa força esperando que o outro nos enxergue e diga que fomos aprovados. 

Esses, que costumam ser os comportamentos considerados normais em nossa sociedade, já que somos desde pequenos ensinados a competir e nos destacar, vão na contramão do verdadeiro sucesso, que nada mais é do que nossa realização pessoal, que por sua vez, só pode ser mensurada por nós mesmos. 

Por isso te pergunto: faz parte do seu propósito assumir uma liderança? Por que isso dá um trabalho danado, exige muita energia, devoção, resiliência e amor. Questione-se sobre suas escolhas profissionais: Elas são feitas a partir de qual critério? Para quem ser feliz, você ou outra pessoa? 

Já vi, e com certeza você também, muitas gestões pesadas. Gestores que carregam o peso do mundo nas costas, muitas vezes remando contra a própria maré, fazendo algo que não os satisfaz verdadeiramente. Nas provas de hipismo clássico era a mesma coisa: cavaleiros e amazonas saltando com a família inteira em cima do cavalo. O próprio cavalo denunciava que estava pesado demais. O resultado era, muitas vezes, frustração, e o pesar ao deixar de lado o tesão de estarem ali fazendo o que gostam (ou não) para mostrar aos outros que estavam se saindo bem, que o investimento em suas carreiras valia a pena. 

Meus piores tombos na vida aconteceram quando eu não estava inteira, quando não estava conectada comigo, com minha equipe ou cavalo. Meus principais deslizes aconteceram quando eu não acreditava no que estava fazendo ou quando escolhia olhar o outro como um adversário. Por outro lado, meus maiores sucessos vieram de provas e projetos que encarei de corpo e alma, porque havia senso de propósito, porque tudo em mim vibrava feliz.  

Por isso, hoje, quis te perguntar até quando você vai esperar ser reconhecido? Até quando vai postergar olhar para dentro e encarar a difícil realidade de que está onde se coloca? Sua realização depende apenas de você e agora pode ser o momento em que você decide se abrir para ir de encontro a ela. 

Por Flávia de Oliveira Ramos/Amazona de si
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

A verdade é que essa diferenciação de gênero existe até hoje para sustentar uma série de outros vícios tão patriarcais e danosos para a nossa sociedade como um todo
A colunista do portal MAB Flávia Ramos, a ‘Amazona de Si’, traz uma reflexão sobre a importância de aprendermos a melhorar as relações com as pessoas ao nosso redor a fim de criar conexões reais, para, assim, prosperar na vida, seja no âmbito profissional ou pessoal.
Nossa colunista Flávia Ramos, a ‘Amazona de Si’, traz essa semana um assunto interessante que envolve a habilidade de identificar nossas virtudes e nossos pontos fracos, inserindo, é claro, o seu costumeiro comparativo junto às percepções do hipismo
Nossos modelos necessitam, com urgência, de uma baita revisão. Conceitos engessados já não funcionam mais e precisamos observar como foi que eles se cristalizaram.