Clima deixa agentes do mercado de mandioca em alerta

Geada foi intensa em algumas regiões, prejudicando as ramas, o que, consequentemente, deve afetar produtores que não estavam programados para um novo plantio
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Clima deixa agentes do mercado de mandioca em alerta
Foto – Divulgação
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Chuvas e geadas foram verificadas na semana passada em parte do Centro-Sul brasileiro, cenário que deixou agentes do mercado de mandioca em alerta. De acordo com pesquisadores do Cepea, a geada foi intensa em algumas regiões, prejudicando as ramas, o que, consequentemente, deve afetar produtores que não estavam programados para um novo plantio.

Em algumas áreas, agentes colaboradores apontaram que as perdas de manivas se aproximaram de 80%. Diante disso, a oferta de raiz de mandioca foi menor na semana passada, o que acabou diminuindo a pressão sobre os preços em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea

Mercado de raiz da mandioca

Em maio passado, o problema estava no clima seco, que prevaleceu em todas as regiões produtoras de mandioca do Centro-Sul, afetando os trabalhos no campo, sobretudo a colheita, que chegou a ser interrompida em muitas lavouras. Ao mesmo tempo, a demanda pela matéria-prima seguiu fortalecida, e as firmas seguiram se abastecendo em áreas mais distantes. Há cerca de dois meses, a quantidade de mandioca processada pela indústria de fécula foi de 168,4 mil toneladas, 1,3% menor que o de abril, mas 1,4% acima do observado em maio do ano passado, de acordo com dados do Cepea.

No mês, o rendimento médio de amido aumentou 3,8%, para 585,61 gramas (balança hidrostática de 5 kg), igualando-se ao do mesmo período de 2020.

O preço médio nominal da tonelada de mandioca em maio foi de R$ 471,58 (R$ 0,8201 por grama de amido), avanço de 6,9% frente ao de abril e o maior desde outubro do ano passado. Na comparação com a média de maio de 2020, o acréscimo é de 51,3% em termos nominais e de 12,9% em valores atualizados (deflacionamento pelo IGP-DI).

Fonte: CEPEA/ESALQ
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também