O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Chip em boi a pasto

Tech que está gerando muita discussão entre os pecuaristas
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Críticas e inúmeras discussões se devem ao Projeto de Lei 345/21 – em tramitação na Câmara dos Deputados, que fala sobre a obrigatoriedade do uso de identificação eletrônica, por dispositivos com um chip em boi, ou seja, em animais criados exclusivamente por sistema de pastagem. A novidade não agradou os pecuaristas pela falta de clareza do PL e por trazer mais custos à produção. 

E, como diz o jornalista da renomada DBO Rural “Tem nova safra de polêmicas saídas do Congresso Nacional, em Brasília (DF). Desta vez é a Câmara dos Deputados que está no centro das conversas – especialmente em mensagens instantâneas por celular – entre pecuaristas de todo o País. 

Apesar do texto, de autoria do deputado federal David Soares (DEM-SP), ter começado tramitar no início de fevereiro deste ano, a sua notoriedade só ganhou a internet e as redes sociais a partir de uma nota publicada pela Agência de Notícias da Câmara, na segunda-feira (03/05). 

“No entanto, o PL pegou de supetão até representantes da Câmara, como o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS), ex-presidente e membro da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA)”, diz a equipe do Portal DBO, na matéria publicada em 05/05, que reproduzimos aqui.  

Chip em boi: o Tec da polêmica

“Nem estou sabendo que projeto é esse, mas pondero uma coisa, dependendo da tecnologia que está sendo tratada, ela deverá ser analisada por diversos órgãos como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a própria Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), o próprio Ministério da Agricultura e demais órgãos técnicos para reconhecer a viabilidade e a aplicabilidade da proposta”, afirma o deputado federal Alceu Moreira (MDB-RS). 

O que diz o projeto?

Entre os artigos de maior destaque no PL estão: 

“Art. 1º Todo animal criado exclusivamente por sistema de pastagem deverá portar uma identificação eletrônica que informará sua localização por meio de GPS (Sistema de Posicionamento Global), o histórico de registros, a documentação completa do animal e demais informações (…).” 

“Art.2º As autoridades sanitárias, de proteção ao meio ambiente e de fiscalização, terão amplo acesso aos dados contidos na identificação eletrônica.” 

“Art.3º O animal será apreendido se estiver sem a identificação eletrônica, desligada de forma não justificada ou inoperante.” 

“Art.4º O Instituto Chico Mendes e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis deverão ter acesso a localização do animal de forma remota.” 

Opinião de quem está no campo

Para o pecuarista Paulo Leonel, com fazenda em Nova Crixás (GO), o projeto de lei “é um dos maiores absurdos que já ouviu e não tem outro motivo senão aumentar mais os custos para o produtor”. E ele diz: “Não existe nem motivo para tramitar uma lei como essa, É falta de assunto porque se já existe o controle sanitário, para quê ter o brinco? É para fazer o pecuarista gastar mais?”. 

Já o engenheiro agrônomo André Aguiar, consultor da Boviplan, empresa de consultoria em gestão e produção, lança algumas dúvidas quanto à tecnologia do dispositivo eletrônico que deverá ser empregado e, assim como Leonel, questiona o custo que isso terá. 

“O custo cai no colo do produtor. Sou técnico, mas também sou produtor. Sabemos muito bem como foi, lá atrás, o caso do Sisbov [Serviço Brasileiro de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos]. Todo mundo foi obrigado a rastrear, depois não foi mais. Quando é uma imposição, a dificuldade é muito grande”, argumenta Aguiar. 

Já Luciano Vacari, diretor da Neo Agro Consultoria, acredita no poder de uma ferramenta de rastreabilidade, mas defende que a tecnologia seja amparada em bases técnicas bem sólidas. 

“Um grande passo seria conhecer as iniciativas de outros países pelo mundo como Argentina e Austrália. No Uruguai, por exemplo, o sistema de rastreabilidade é obrigatório e pago pelo governo para promover e acessar mercados para carne”, diz Vacari. 

Tramitação

Desde fevereiro deste ano, o projeto tramita em caráter conclusivo. Segundo a própria Câmara, isso significa que o PL não precisa ser votado pelo Plenário para que seja considerado aprovado pela Câmara, mas apenas aprovado pelas comissões designadas para analisá-lo. 

O projeto só deixará de ser conclusivo nas comissões (e, portanto, precisará ser votado em Plenário), se uma das comissões o rejeitar, ou, se aprovado pelas comissões, houver recurso de 51 deputados (10%) para que ele seja votado em Plenário. 

O texto será analisado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. 

Fonte: DBO Rural 
Crédito da foto: Reprodução/DBO Rural

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil