Celebração do Dia Mundial do Leite

Alimento completo, de consumo global e forte aliado da saúde de todos
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Dia Mundial do Leite
Áudio

O leite, um dos alimentos mais produzidos e consumidos no mundo merece respeito e homenagem, não apenas neste Dia Mundial do Leite, celebrado em 1º de junho, mas em todos os dias do ano. Nem é preciso salientar tantas regiões no nosso país – possuidoras das mais ricas bacias leiteiras do planeta, manejo e tecnologias de ponta, empregadas nos diversos polos produtivos dos rebanhos leiteiros -, nem tão pouco se aprofundar nos reconhecidos feitos dos produtores, indústrias e associações que tanto impulsionam essa cadeia produtiva, gigante em importância social e econômica, porque nossa forma de celebrar o leite e seus derivados é mostrar um pouco de seus inúmeros benefícios à saúde. 

Além de ser alimento completo, de consumo global, é também forte aliado da saúde de todos. Estudo mostra que beber leite integral pode aumentar expectativa de vida. A descoberta científica foi publicada no período The Lancet no dia 11 de setembro de 2018. E para se chegar a essa constatação, o grupo de pesquisas que conduziu o estudo acompanhou durante nove anos a dieta e a saúde de 136 mil adultos de 21 países. 

Ossos Fortes 

Embora existam outras fontes naturais de cálcio, como as verduras verde-escuras, o leite é a mais importante, pois conta com a presença de caseinofosfopeptídeos, lactose e proteínas que facilitam a absorção do cálcio. Pesquisas indicam que até 75% do cálcio adicionado a bebidas, como o “leite de soja’, se perde, ficando aderido ao fundo das embalagens. Além do cálcio, o leite contém proteínas, fósforo e outros nutrientes que são essenciais para a saúde óssea, reduzindo o risco de fraturas e prevenindo o aparecimento de osteoporose.  

Dentes Saudáveis 

Além do efeito do cálcio sobre a resistência dos dentes, pesquisadores da Dinamarca e Austrália mostraram que o leite de vaca ajuda a reduzir os efeitos das bactérias causadoras de cárie e doenças da gengiva. Essas bactérias formam a chamada placa bacteriana que, ao longo do tempo, é colonizada por espécies produtoras de ácido, como o Streptococcus mutans, que provocam cáries, especialmente quando a dieta é rica em açúcar. 

Quando a placa atinge a gengiva, destrói os tecidos que dão sustentação aos dentes, além de aumentar o risco de vários tipos de câncer em todo o organismo. Ao menos duas proteínas presentes no leite de vaca – lactoferrina e osteopontina – são capazes de reduzir a formação das placas, agindo contra a colonização bacteriana. Para se ter uma ideia, uma bactéria comum da cavidade bucal produz 4 a 5 vezes mais cáries na presença de “leite” de soja, quando comparado ao de vaca. Os pesquisadores sugerem, inclusive, a adição desses componentes do leite às fórmulas de pastas dentais, visando melhor saúde oral. 

Melhor qualidade do sono 

Esse benefício se deve à presença de vários componentes do leite que promovem o sono, incluindo vitamina B12, nucleosídeos e, o mais conhecido de todos, o triptofano. Esse aminoácido, não fabricado pelo corpo, modula a produção de serotonina, neurotransmissor que dá sensação de bem-estar. E a serotonina, por sua vez, é usada na produção de melatonina, o hormônio do sono. O triptofano está presente no leite, e daí vem aquele conselho antigo da vovó, de que você deveria tomar um copo de leite morno antes de ir para a cama. 

O setor lácteo, ainda hoje atravessa um momento delicado, tendo de um lado os custos de produção que elevam o preço do leite no campo, e de outro, a grande pressão dos canais de distribuição o que dificulta o repasse da valorização da matéria-prima ao consumidor, que, por sua vez, está com menor poder de compra, diante do atual contexto econômico, também merece apoio e incentivo diante de sua grande importância em nível global.  

E para relembrar alguns momentos da campanha Beba Mais Leite, Mitos e Verdades, que sempre nos traz informações relevantes, podemos citar a questão: Os humanos são os únicos mamíferos que tomam leite na idade adulta?  

Verdade! Nós, humanos, somos a única espécie que desenvolveu técnicas para a criação de bovinos e, assim, conseguimos incorporar o leite de vaca em nossa dieta. Quando o filhote se torna adulto, o desmame feito pelas fêmeas das diversas espécies ocorre não porque o leite deixa de ser adequado para a cria, mas sim para que o filhote passe a ingerir outros alimentos, e também para poupar energia da fêmea para um novo processo de gestação. Outro motivo é que o leite é um alimento muito nobre e seu custo é alto demais para que seja um ingrediente de ração animal. 

O leite está entre os seis primeiros produtos mais importantes da agropecuária brasileira, ficando à frente de produtos tradicionais como café beneficiado e arroz. O Agronegócio do Leite e seus derivados desempenham um papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda para a população.  A produção atual está em torno de 33,6 bilhões de litros anuais. O rebanho leiteiro brasileiro é o segundo maior do mundo, ficando atrás apenas do da Índia. São cerca de 70 milhões de animais utilizados na pecuária de leite, entre vacas, novilhas, bezerras e touros. 

Fonte: Redação Agrovenki 
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal MAB

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.