Bezerro e custo de produção estão muito altos

Gestão com foco e planejamento são ferramentas para que o pecuarista dilua o ágio do bezerro e obtenha lucro no próximo ciclo da atividade
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Bezerro e custo de produção estão muito altos
Gestão com foco e planejamento são ferramentas para que o pecuarista dilua o ágio do bezerro e obtenha lucro no próximo ciclo da atividade – Foto: Divulgação Attuale Comunicação
Áudio

Com o mercado em um momento de valorização do preço do bezerro, e com tendência de retenção cada vez maior das fêmeas, é a vez do dono da fazenda contar com planejamento estratégico, como ferramenta de gestão, para diluir o ágio da reposição, visando obter lucro na venda do gado para o abate, seja no próximo ano ou em 2023.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a participação de fêmeas nos abates está em queda, desde o primeiro trimestre de 2020, quando elas representavam 43% dos animais abatidos. No mesmo período deste ano, o percentual foi de 37%. O recuo nos abates de fêmeas é um dos fatores que contribuem para a sustentação da arroba.

Neste cenário, a perspectiva é que a retenção de matrizes continue até o final de 2021. Já para 2022, esse panorama vai depender da realidade econômica do Brasil, da conjuntura das exportações e da própria demanda do mercado interno. “No entanto, o cenário de retenção de matrizes deve permanecer”, afirma o zootecnista e supervisor técnico da Connan, Bruno Marson.

Com essas perspectivas, o pecuarista tem agora a difícil decisão de traçar a estratégia para o seu rebanho, visando reaver o valor investido e garantir o lucro no momento da terminação, quando o animal precisa estar bem para trazer a rentabilidade esperada no negócio.

“Hoje, o pecuarista está em um ponto do ciclo em que adquiriu o bezerro de alto valor, com preço de arroba de R$ 450 a R$ 500. No entanto, o preço da arroba do boi gordo está em torno de R$ 310. Desta forma, é preciso que o empresário do campo adote estratégias para diluir o custo da arroba de compra, para que, na média ponderada, tenha lucro com o abate do animal”, explica Marson.

Apostar em planejamento estratégico

Na avaliação do zootecnista, existem algumas estratégias que o pecuarista pode adotar para produzir uma arroba que tenha um custo de produção interessante, que dilua o investimento da compra e proporcione lucro.

O primeiro ponto é comprar animais de bom potencial genético para ganho de peso. Após esta compra, é preciso adotar um protocolo sanitário que permita a esse animal expressar todo o seu potencial. “Mais do que adquirir um bovino com ótimo potencial genético, é preciso seguir as normas sanitárias para que ele não adoeça, porque se ele ficar doente, o ganho de peso fica comprometido”, comenta Marson.

Outro aspecto fundamental, especialmente neste momento de seca extrema, é estabelecer um programa de manejo de pastagens que priorize o desenvolvimento desse animal, sem restrição alimentar. “Preparar a estrutura do pasto, nesse final de seca, para que tenha um bom resultado nas águas é fundamental”, recomenda Marson.

Por último, o pecuarista precisa utilizar um protocolo nutricional de forma estratégica e sustentável, que possibilite o máximo ganho de peso dos animais no período das águas e, se possível, adotar o manejo de condicionamento de transição. “Se o produtor não fizer isso no período das águas, quando temos mais facilidades e vantagens para engordar os animais, ele perderá uma janela de oportunidade para ganhos futuros”, avalia.

“A gestão e o planejamento é o ponto chave para que a fazenda tenha lucro. Saber exatamente o custo da arroba por animal é a forma mais segura de entender a saúde financeira da propriedade e traçar as estratégias para as próximas etapas do ciclo da pecuária. Sem isso, o pecuarista terá, sem dúvidas, mais dificuldade para entender a movimentação financeira do seu negócio e o lucro que aquele investimento no rebanho trouxe para propriedade”, finaliza Marson.

Fonte: Connan/Attuale Comunicação
Foto: Divulgação Attuale Comunicação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.