1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso

Projeto pioneiro de monitoramento de javalis e suínos asselvajados realizado pela Acrismat em parceria com o FSDS será um dos destaques.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso
Áudio

A Associação de Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), com apoio do Fundo de Sanidade e Desenvolvimento da Suinocultura de Mato Grosso (FSDS), desenvolve o projeto Vigilância de Javalis, Suínos Asselvajados e Híbridos em Mato Grosso.

O trabalho desafiador e pioneiro no país é realizado desde o início desse ano e visa o monitoramento das espécies alvo, além de mapear a distribuição geográfica desses animais no Estado e traçar estratégias para reduzir os riscos de disseminação de doenças.

Devido à sua relevância, o tema será abordado no 1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso, que é uma realização da Acrismat e ocorrerá no Buffet Alphaville, em Cuiabá, no dia 30 de novembro.

O coordenador do projeto, o médico veterinário da Acrismat, Igor Queiroz, que acompanha a execução do projeto, conta que o trabalho já visitou oito municípios do Estado e fiscalizou mais de 500 propriedades.

“Estamos realizando um trabalho grandioso e sem precedentes no Brasil. Visitar essas propriedades in loco, aplicar questionário com os produtores, fiscalizar e vistoriar as propriedades têm sido desafiador, mas ao mesmo tempo satisfatório com o resultado alcançado até aqui”, conta.

Ele acrescenta que o objetivo é monitorar as espécies e analisar se há ou não riscos para a suinocultura comercial que possam causar grande impacto econômico na cadeia. “Vale lembrar que desde 2016, Mato Grosso conquistou o status de área livre de Peste Suína Clássica com reconhecimento internacional através de ações conjuntas entre FSDS, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Indea e apoio da Acrismat”, destaca Igor.

O projeto é dividido por etapas. A atual consiste em visitas a criatórios de suínos em um raio de 10 km de granjas comerciais e identificar indícios da presença desses animais. Nas próximas fases serão realizadas a captura deles para coleta de amostras sorológicas, sanguíneas, de tecidos, endoparasitas, entre outras amostras, para análises em laboratórios credenciados pelo Mapa. “Quaisquer amostras reagentes aos testes para enfermidades de notificação obrigatória, deverão ser encaminhadas aos laboratórios oficiais do MAPA”, explica Queiroz.

Peste Suína Africana

Apesar de estar erradicada no Brasil desde o fim da década de 1970, a confirmação de um foco de Peste Suína Africana (PSA) na República Dominicana, em julho deste ano, acendeu o alerta para a sanidade animal no Brasil.

A PSA é uma doença viral que afeta apenas os suínos e é altamente contagiosa. Não tem cura nem tratamento, causando elevada mortalidade no rebanho. De acordo com pesquisadores, atualmente cerca de 78% dos rebanhos suínos do mundo estão em condição endêmica ou de alto risco para a PSA.

Atento a este cenário, o simpósio contará com a palestra “Prevenção da Peste Suína Africana”, proferida pela pesquisadora da Embrapa, Janice Zanella. De acordo com produtores e pesquisadores, o retorno da PSA ao País pode causar um prejuízo de aproximadamente 5,5 bilhões de dólares no primeiro ano.

Graças às medidas de vigilância e controle de saúde animal adotadas pelo MAPA, além do avanço da biosseguridade da suinocultura, o Brasil se mantém fora da lista de países com risco de PSA.

Bem-estar animal na cadeia suinícola

Já o consultor e pesquisador, Cleandro Dias, com mais de 25 anos de experiência no segmento de suínos, ministrará a palestra “Ações de Bem-Estar Animal na Cadeia Suinícola”. O conteúdo destacará ações positivas que serão implementadas com objetivo de melhorar a qualidade de vida dos suínos e ainda a Instrução Normativa 113, de dezembro de 2020, que implementa as boas práticas de manejo e bem-estar animal nas granjas de suínos de criação comercial.

“Acredito que a mudança de maior destaque seja em relação à gestação coletiva. Com a instrução normativa fica estabelecido a ser obrigatório a gestação coletiva para matrizes, a manutenção em gaiolas individuais é limitada até 35 dias de gestação. Todos os novos projetos e ampliações devem seguir este modelo e as granjas antigas têm 25 anos para se adequarem. Além das questões relacionadas a boa alimentação e alojamento”, pontua.

1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso

Quando: 30 de novembro
Onde: Buffet Alphaville, Rua João Paulo II, Nº 36-206 – Santa Marta, Cuiabá
Horário: a partir das 7h30

Card Redes Sociais

Programação

  • 7h30 às 8h30 – Credenciamento e Welcome Coffee
  • 8h30 às 9h30 – Solenidade de abertura
  • 9h30 às 9h45 – Intervalo
  • 9h45 às 12h15 – Palestras: Panorama Atual da Suinocultura em Mato Grosso com, Cleiton Gauer – Panorama de Mercado Global e Brasileiro da Carne Suína com, Alexandre Rosa
  • Debatedores: Luiz A. Ortolan Salles – Diretor Acrismat e Moisés Sachetti – Diretor Acrismat
  • 12h15 às 14h – Almoço
  • 14h às 17h30 – Palestras: Prevenção da Peste Suína Africana, com Janice Reis Zanella -Ações de Bem-Estar Animal na Cadeia Suinícola, com Cleandro Dias – Monitoramento e Vigilância de Javalis e Suínos Asselvajados em MT, com Igor Queiroz
  • Debatedores: Maristela Brito Vicente Corrêa, médica veterinária e Roberto Renato Pinheiro da Silva, presidente CRMV/MT
  • 17h30 – Coquetel de encerramento
Card Palestrantes Geral 02

Fonte: Acrismat/ÍconePress

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Remar Cidadão precisa da participação dos cidadãos para avaliação e aprimoramento das previsões de andadas e das normativas de defeso dos caranguejos nos anos futuros
Para especialistas, desempenho exportador das carnes neste início de 2022 é bastante satisfatório, mas o preço da carne suína registra queda anual próxima de 10%
Também nos bovinos, os nutrientes desempenham funções essenciais no organismo; então, atenção para quando ele faltarem na forragem oferecida, Carência muito comum no País
Os dados constam do banco da Associação Nacional de Criadores Herd-Book Collares (ANC), entidade mais antiga de registro de animais de raça do país