O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Transformação: de dióxido de carbono para ração de gado!

Startup inglesa usa tecnologia de fermentação para produção de proteína mais sustentável
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
A empresa usa um processo de fermentação semelhante à vinificação ou decapagem, exceto que os micróbios se alimentam de CO₂ e hidrogênio em vez de açúcares. Fonte: Deep Branch
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Uma ideia para substituir as rações convencionais para gado, produzidas com farinha de peixe e soja, pode estar sendo ‘criada’ neste momento. Isso porque a startup inglesa, Deep Branch, que já arrecadou já conta com mais de R$ 50 milhões (euros convertidos em reais) para construir uma planta piloto para transformar dióxido de carbono em ração para o gado.

Os estudos começaram com os dados indicativos de que os transportes são responsáveis por quase 30% das emissões de dióxido de carbono na União Europeia – 72% vêm dos transportes rodoviários. Por que não usar a poluição ambiental para produzir algo útil? No entanto, trata-se de um assunto para ser analisado, uma vez que mexe com tradicionais utilizações de matéria-prima e insumos da cadeia agropecuária. Arrojado ou não, o projeto foi adiante, e a Deep Branch do Reino Unido garantiu fundos de patrocinadores, incluindo a gigante francesa do petróleo Total SE, para seu plano de transformação.  

A empresa usa um processo de fermentação semelhante à vinificação ou decapagem, exceto que os micróbios se alimentam de CO₂ e hidrogênio em vez de açúcares. O resultado é um produto com 70% de proteína, chamado Proton. A dependência da indústria agrícola dos dois ingredientes – farinha de peixe e soja – foi associada ao esgotamento dos estoques de peixes selvagens e causou o desmatamento em grande escala. “Podemos ter preços competitivos com esses ingredientes sem prejudicar o planeta”, disse o CEO Peter Rowe em entrevista. “Não é apenas uma forma de produzir proteína sem precisar de terras agrícolas e desmatamento ou pesca excessiva, mas também porque a pegada de carbono total disso é extremamente pequena.”

A Deep Branch afirmou que arrecadou 8 milhões de euros (R$ 53.228.000,00) para um projeto piloto de expansão de sua tecnologia. O fundo de investimento Novo Holdings A / S e a DSM Venturing lideraram a rodada de financiamento, que também incluiu o Barclays Sustainable Impact Capital. Isso eleva o financiamento da empresa para cerca de 13 milhões de euros.

Conversão de gases em alimento

A startup é uma das várias que usam tecnologia de fermentação para desenvolver proteínas mais sustentáveis. A Air Protein, dos Estados Unidos, e a Solar Foods, da Finlândia, estão trabalhando na conversão de gases em alimentos, enquanto na Índia, a String Bio recicla metano em proteína para animais. Deep Branch diz que seu processo produz 90% menos emissões de carbono do que teria sido gerado por métodos agrícolas tradicionais. A maior parte de suas emissões se deve ao uso de amônia, que fornece o componente nitrogênio de suas proteínas. Atualmente, a amônia é normalmente produzida a partir do gás natural em um processo intensivo em carbono, mas as empresas estão trabalhando em maneiras de fabricar o gás sem causar emissões.

A startup tem um acordo com a produtora de energia britânica Drax Group Plc para usar resíduos de dióxido de carbono capturados em sua usina de bioenergia. O Deep Branch essencialmente recicla as emissões que causam o aquecimento do planeta, transformando-o em alimento, uma vez que eventualmente será liberado no ar novamente após o consumo da proteína. Mas a abordagem reduz a poluição geral necessária para criar gado, evitando o desmatamento e reduzindo os combustíveis fósseis necessários para a fabricação de fertilizantes que, de outra forma, seriam usados.

“Está retirando o dióxido de carbono residual e criando um produto valioso com benefícios de sustentabilidade agradáveis”, disse Cindi Choi, diretor-gerente da Carbon Neutrality Ventures da Total, que apoia startups que comungam com a ideia de um futuro de baixo carbono. A Deep Branch também está desenvolvendo alimentos aquáticos com a Biomar Holding A / S e trabalhando em rações para aves com a AB Agri Ltd. Uma fábrica em escala comercial está planejada na Europa para 2023.

Fonte: bloomberg.com – tradução de Compre Rural