Search
Close this search box.

Tecnologias para monitorar plantas daninhas e carrapatos chegam ao produtor

17 de setembro de 2022

Uso de tecnologias tem se tornado cada vez mais freqüentes na agricultura, sobretudo, agora, no monitoramento de plantas daninhas e carrapatos
Compartilhe no WhatsApp
Tecnologias para monitorar plantas daninhas e carrapatos chegam ao produtor
O aporte da agricultura de precisão também chegou para o combate a plantas daninhas – Foto: Divulgação/Embrapa

O aumento do uso de tecnologias como drones ou VANTs (veículo aéreo não-tripulado) no setor agropecuário é visível pelos campos brasileiros. Sua versatilidade é uma das principais vantagens, aliada à resposta rápida, detalhamento de imagens, maior precisão de dados e menor tempo na execução das atividades rurais. 

Na agricultura, é possível utilizar o equipamento para verificação de falhas de plantio, levantamento de curvas de nível, monitoramento de doenças e pragas, pulverização de defensivos, levantamento de plantas por área, dentre outras possibilidades. Já na pecuária, a contagem de animais, o levantamento de plantas por área, a avaliação do suprimento animal e o monitoramento sanitário são factíveis. Além do uso em aplicações ambientais, como no acompanhamento de focos de incêndios e desmatamento. 

Atuando em uma empresa formada e fundada por mulheres, a Agronômica – Projetos e Consultoria Agropecuária, a engenheira agrônoma Jaqueline Alves da Silva ratifica que o uso dessas tecnologias “é democrático, sendo possível sua aplicação em qualquer tamanho de propriedade e em várias etapas do sistema produtivo, chegando a diversos setores do agronegócio”. 

Para seu manuseio, Silva reforça a necessidade de treinamento específico, com instruções sobre normas e leis, modelos de equipamento, funcionalidades e parâmetros de operação e, sobretudo, “sobre a responsabilidade que é a operação de drones ou VANTs. A oferta de capacitação acompanhou os elevados índices de adoção, mas a responsabilidade de uso se mantém”. 

Plantas daninhas

O aporte da agricultura de precisão também chegou para o combate a plantas daninhas. Com tecnologias adequadas é possível fazer o controle mecânico somado ao sistema plantio direto de plantas espontâneas. “O equipamento faz o controle sobre a palhada, nas entrelinhas, sem o revolvimento do solo, garantindo cobertura e melhorando a estrutura físico-química do solo, facilitando assim o manejo por parte do produtor”, afirma o agroecólogo Maicon Reginatto, especialista da Gebana Brasil. 

Apesar do custo, mesmo adaptado com engrenagens nacionais, Reginatto enfatiza que o benefício de tecnologias como essa, se pagam, a começar pela redução dos custos e ausência de aplicação de herbicidas para combater as plantas daninhas. Como sugestão, ele indica a compra por associações e cooperativas de agricultores, barateamento o uso desses implementos, otimizando a atividade. 

Controle de carrapato

Apesar dos avanços das tecnologias, ainda não há precisão para o controle de carrapatos, por isso o pesquisador Renato Andreotti, da Embrapa (Campo Grande-MS), reforça a opção pelo controle estratégico dos carrapatos em bovinos. 

Para a produção familiar, que maneja bovinos para a atividade leiteira e com maior sensibilidade ao parasita, Andreotti aponta que a aplicação do tratamento químico deve seguir uma estratégia, como a época adequada do ano – final do período seco – e utilizar os carrapaticidas nos animais para controlar o carrapato na pastagem. Observações, aparentemente, simples, mas que impactam na propriedade.

O médico-veterinário explica que a eficiência e a eficácia dos produtos passam por retardar a resistência dos carrapatos aos carrapaticidas. Para isso, a Embrapa disponibiliza bioensaios que testam a resistência de determinada população de carrapatos aos produtos, dentro da propriedade rural. Com resultados em mãos, o agricultor familiar pode desenhar a estratégia de controle com mais assertividade.

Essa conclusão foi feita pelos agricultores e estudantes Alexandre Euclides e Allex de Souza de Itaquiraí (MS). “É impressionante também os prejuízos causados pelos carrapatos na pele dos animais e sua capacidade reprodutiva”, alerta Euclides e “como o uso prolongado dos produtos pode piorar a situação da fazenda, sendo necessário o manejo correto para controlar a população”, completa Souza.

Esses três temas estão presentes na edição 2022 da Tecnofam – Tecnologias e conhecimentos para a agricultura familiar – em forma de dinâmicas e oficinas. A feira acontece esta semana em Dourados (MS). 

Feira de tecnologias

A Tecnofam é uma promoção da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), por meio da Unidade da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS). O evento é uma realização de órgãos públicos estaduais e municipais, e de entidades privadas como a Associação de Produtores Orgânicos de Mato Grosso do Sul (Apoms), o Sebrae/MS, Senar/MS e Sindicato Rural de Dourados.

O evento conta com apoio da Cooperativa de Crédito Cresol, Cooperativa de Crédito Sicredi, Fundação Apoio à Pesquisa e ao Desenvolvimento (Faped), Organização das Cooperativas Brasileiras no Mato Grosso do Sul (Sistema OCB/MS) e agencias de apoio ao desenvolvimento da região.

Fonte: Embrapa

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Nesses últimos dias, o ritmo de comercialização diminuiu e as cotações domésticas de algodão também recuaram, na contramão dos referenciais externos
Em farelo de soja, a expectativa é de exportação de 2,225 milhões de toneladas, em comparação com 1,869 milhão de toneladas na projeção anterior
O relatório do estudo completo está em fase final de elaboração e deve ser divulgado no começo de setembro.
Orizicultores têm preferido comercializar a matéria-prima no porto de Rio Grande, onde as ofertas para exportação se mantêm mais vantajosas