Startup brasileira desenvolve tecnologia que otimiza a reprodução animal e reduz os custos

Já houve pedido de patente e a expectativa é que, finalizado o processo, a inovação possa chegar ao mercado que ajuda a reprodução animal
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
reprodução animal
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

A startup brasileira Kimera desenvolveu uma tecnologia 100% nacional e que otimiza os resultados da inseminação artificial para o mercado de reprodução animal. O produto, que não utiliza animais em seu processo de fabricação, manteve a mesma eficiência dos produtos atualmente no mercado, mas reduziu o custo em até 50%.

Os testes foram realizados em mais de mil animais e foram obtidos resultados satisfatórios. Por isso, já houve pedido de patente e a expectativa é que, finalizado o processo, a inovação possa chegar ao mercado.

O produto

O produto é a primeira versão recombinante do hormônio gonadotrofina coriônica equina (eCG), substância já amplamente usada para induzir e sincronizar o cio em bovinos e suínos. Também pode ser amplamente utilizado para técnicas de reprodução in vitro, como a fertilização in vitro e transferência de embriões.

A novidade desenvolvida pela Kimera, segundo Camillo Del Cistia Andrade, doutor em Genética pela Universidade de São Paulo (USP) e sócio-fundador da startup, é que o novo eCG recombinante (ou r-eCG) mostrou-se tão eficaz quanto o tradicional, com a vantagem de ter um custo de produção entre 40% a 50% menor, e ainda eliminar o polêmico uso de éguas prenhas na produção do hormônio.

“Esse hormônio é totalmente produzido em laboratório sem a necessidade de extração de sangue das éguas ou de qualquer outro animal e a um custo bem menor. Ou seja, a nossa tecnologia não é degradante como o eCG tradicional, que resulta com frequência em maus-tratos, abortos recorrentes e morte prematura desses animais”, completa Camillo.

Ampliação dos negócios

Criada em 2014, com o apoio da USP e da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), a startup foi uma das selecionadas para a terceira edição do Programa de Desenvolvimento de Negócios do BiotechTown (PND), hub de inovação que apoia startups de Biotecnologia e Ciências da Vida.

Além do montante financeiro investido, que foi algo em torno de R$150 mil, a Kimera terá acesso às estruturas laboratorial e de planta produtiva do BiotechTown e receberá apoio por meio de mentorias e acompanhamento individual para seu crescimento.

Camillo Del Cístia conta sobre a expectativa em relação ao processo de aceleração. “Estamos bem engajados e motivados e pretendemos, ao longo dos próximos 11 meses, contar com a experiência do time de biotecnologia do programa para trazer melhorias ao nosso negócio, além de nos conectar com empreendedores e empresas da mesma área”, explica.

“O BiotechTown, com o PDN, oferece às startups de biotecnologia e ciências da vida mentorias e um aporte financeiro que são o início de uma parceria que continua ativa e proporcionando novas conexões por mais tempo. Além de viabilizar às startups ainda mais possibilidades de desenvolvimento em bionegócios com suas conexões e estrutura”, explica Bruno Andrade, CEO do BiotechTown.

KIMERA BIOTECNOLOGIA

A Kimera, startup graduada na Supera Incubadora de Empresas de Base Tecnológica e que hoje faz parte do Centro de Negócios do Supera Parque, atua no desenvolvimento, melhoria e produção de Biomoléculas Recombinantes visando o melhoramento em Reprodução e Saúde Animal.

SUPERA PARQUE

 O Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto, gerido pela Fipase, é resultado de uma parceria entre Universidade de São Paulo (USP), Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto e Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo. Instalado no Campus da USP local, o Parque abriga a Supera Incubadora de Empresas, o Supera Centro de Tecnologia, a associação do Arranjo Produtivo Local (APL) da Saúde, o Polo Industrial de Software (PISO), além do Supera Centro de Negócios. Ao todo, são 71 empresas instaladas no Parque, sendo: 53 delas no Supera Incubadora de Empresas de Base Tecnológica; e 18 empreendimentos no Centro de Negócios. O Parque Tecnológico está em expansão com a urbanização de lotes para instalação de empresas e a implantação do Container Park, um novo complexo empresarial.

Fonte: Kimera Biotecnologia

Relacionadas

Leia também

ESG Tech, a próxima onda tecnológica

ESG Tech, a próxima onda tecnológica

O papo sobre sustentabilidade corporativa não é novo, mas ganha outra roupagem com o interesse cada vez maior de consumidores e investidores por negócios realmente engajados com esses princípios. Este é o foco do artigo assinado por Marcos Luz, Head de Tecnologias Avançadas da Minsait no Brasil, apontando que a tecnologia pode prestar grandes contribuições, exercendo um papel central na coleta, verificação e análise do desempenho ESG.

Continue lendo ⠀➡