São Paulo tem precipitação de fuligem por queimadas

Grande número de focos de incêndios era observado neste domingo no interior paulista em meio a uma grave estiagem com intenso calor

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
São Paulo tem preciptação de fuligem por queimadas
Risco extremo de fogo (em preto) neste momento em grande parte do Brasil – Foto: Copernicus
Áudio

A Grande São Paulo registrou neste domingo (22) precipitação de fuligem mesmo com o tempo aberto e ensolarado. Isso porque é muito grande a quantidade de fumaça que neste momento atua no estado paulista. Imagens de satélite da tarde deste domingo indicavam a presença de muitos pontos com densa fumaça na atmosfera.

Ao contrário do Rio Grande do Sul que está recebendo fumaça do Paraguai, Argentina, Bolívia e do Centro-Oeste e da Amazônia, no Brasil, devido às correntes de vento que se deslocam pelo interior do continente – os rios voadores transformados em rios de fumaça – a fumaça que atua na Grande São Paulo é de origem local por conta do enorme número de queimadas ocorrendo no interior paulista, especialmente no Centro e no Norte do estado de São Paulo.

Sao Paulo tem preciptacao de fuligem por queimadas 3
Estiagem é severa no Brasil Central com enorme déficit de umidade no solo – Foto: NASA

É grande a quantidade de material particulado, na forma de fumaça e fuligem pela queima de biomassa, que está no momento sobre o território do estado de São Paulo. Uma vez que os focos de incêndio estão na própria região acaba ocorrendo a precipitação de fuligem.

Um dos principais focos de incêndio neste domingo no estado de São Paulo se dá no Parque Estadual do Juquery, na Grande São Paulo, origem da fuligem na capital paulista. O fogo teve início na manhã de hoje e obrigou a Prefeitura de Franco da Rocha a acionar emergencialmente brigadistas. O fogo já atingiu metade da área do parque de dois mil hectares.

O calor se combina com a estiagem forte e prolongada para gerar uma condição de muito alto risco de fogo. Os mapas de risco de incêndios indicam que parte do interior de São Paulo, especialmente áreas mais a Oeste e próximas do Mato Grosso do Sul, está com risco extremo de fogo neste começo de semana.

Sao Paulo tem preciptacao de fuligem por queimadas 2
Imagem de satélite do final da tarde deste domingo mostrava muitas plumas de fumaça oriundas de queimadas no interior de São Paulo – Foto: Zoom Earth

A temperatura neste domingo chegou a 34,9ºC em Valparaíso, 34,4ºC em Presidente Prudente, 34,3ºC em Rancharia e 33,5ºC em Votuporanga com umidade relativa do ar abaixo de 20% em diversas cidades. Há uma estiagem prolongada e severa, que deixa o solo e a vegetação secos, agravando demais o risco de fogo.

A situação tende a piorar nesta primeira metade da semana, alerta a MetSul. Isso porque, com o avanço de uma frente fria pelo Sul do Brasil, as correntes de vento trarão fumaça do Centro-Oeste e da Amazônia que se somará à fumaça que origina no próprio estado de São Paulo.

A chuva é esperada na capital paulista e em vários pontos do interior apenas mais para o final da semana com a chegada de uma frente fria, mas antes vai fazer muito calor e com baixíssima umidade do ar, o que vai agravar ainda mais o risco de fogos e gerar novos focos de queimadas.

Sao Paulo tem preciptacao de fuligem por queimadas 4
Fumaça da Amazônia e do Pantanal avança para São Paulo na metade da semana – Foto: Coprernicus

A cidade de São Paulo pode ter 34ºC ou 35ºC na quarta-feira. Entre sexta (27) e a segunda-feira (30), a tendência é de tempo instável com chuva e garoa na capital paulista. A chuva em alguns momentos deve ser moderada a forte os acumulados na soma de sexta a segunda podem ser muito altos para esta época do ano, o que tende a surpreender muitos paulistanos.

Fonte: METSul Metereologia
Foto: Divulgação/Crédito nas legendas

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Câmara Temática de Insumos debate demora no registro de inovações tecnológicas
Apesar de sucessivos recordes nas exportações brasileiras de produtos do agronegócio, ainda é preciso melhorar a imagem do Brasil.
Alta do dólar em meio a pandemia elevou exportação e esvaziou mercado interno. Castigo ao consumidor brasileiro deve perdurar, em meio a safras recordes.
Campanhas e pessoas como Carlos Alberto da Silva, da Publique; veículos como o jornal Estadão; e agências como a Santa Clara, foram lembrados.