Safra 2020/21 do arroz mais cara, mas com recorde de produtividade

Preços altos e produtividade recorde de 9.050 kg por hectare garantiram rentabilidade no ciclo aos produtores
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Safra 202021 do arroz mais cara, mas com recorde de produtividade
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

De acordo com dados levantados pelo Irga (Instituto Rio-Grandense do Arroz), cada saca de 50 kg de arroz desta safra 2020/21 custou R$ 73,72 aos produtores do Rio Grande do Sul, o que representa um custo de produção de R$ 11.567,74 por hectare.  

Nesta última temporada – negociada agora – a saca está entre R$ 75 e R$ 85. A colheita registrou produtividade recorde e pela primeira vez ultrapassou os 9 mil kg por hectare, o que auxiliou na rentabilidade dentro do ciclo dos produtores. Até o ano passado, essa média (9.050 kg por hectare) nunca havia ultrapassado os 8 mil kg e chegou aos 8.400 na temporada 2019/20. 

“O preço dos insumos foi um dos principais responsáveis pelo aumento, já que representam mais da metade dos custos totais. Além disso, o próprio aumento nas cotações do arroz impactou, uma vez que muitos gastos tomam esses patamares como referência, como os arrendamentos”, comentou diretor técnico do Instituto. 

Na parcial de junho (22/06), a queda mostrada pelo Indicador ESALQ/SENAR-RS chegava a quase 12%. Isso com os preços do arroz em casca seguindo em queda no Rio Grande do Sul – 58% de inteiros e o pagamento à vista recuando a 11,9%, fechando a R$ 69,89/sc de 50 kg.   

Segundo colaboradores do Cepea, compradores acreditam que o maior excedente interno pode pressionar ainda mais os valores domésticos e, assim, buscam adquirir apenas pequenos volumes. Além disso, o aumento dos custos do transporte acaba pesando também sobre as cotações do cereal pagas ao produtor.  

Quanto à liquidez, um número ligeiramente maior de negócios envolvendo o arroz com casca foi captado pelo Cepea no spot sul-rio-grandense nos últimos dias, mas também cresceram os relatos sobre dificuldades de comercialização de arroz entre unidades beneficiadoras e atacadistas/varejistas.  

Fonte: Cepea, Irga
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também