Queijo do Marajó da Fazenda São Victor conquista mais um prêmio internacional

Agora, além de várias premiações nacionais, a iguaria dos produtores Marcus e Cecília Pinheiro, de Salvaterra, no Marajó/PA, soma duas medalhas conquistadas no Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, que é realizado em Tours, na França
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Fazenda São Victor completa 15 anos produzindo queijo do Marajó
Iguaria agora tem a medalha de Bronze de concurso internacional – Foto: Divulgação
Áudio

O Queijo do Marajó da Fazenda São Victor conquistou recentemente mais uma premiação internacional. Trata-se da medalha de “Bronze” na 5ª edição do Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, que foi realizado de 12 a 14 de setembro na cidade de Tours, na França. A queijaria, localizada em Salvaterra, no Marajó/PA, e de propriedade de Marcus e Cecília Pinheiros, já havia conquistados a medalha de “Prata” no ano de 2019.

Neste ano, 900 queijos de 46 países diferentes foram avaliados durante o Mondial du Fromage et des Produits Laitiers. Entre eles, o queijo do Marajó da Fazenda São Victor provou ser uma iguaria de qualidade, sabor único e, ainda, com um gigantesco potencial de crescimento.

“Mesmo em meio a tantas turbulências que aconteceram no ano passado e neste ano, ainda conseguimos conquistar essa medalha para o nosso Estado do Pará e, principalmente, para a Ilha do Marajó. Estamos imensamente felizes”, disse Marcus e Cecília Pinheiro. “Esperamos trazer ainda mais títulos importantes como esse para o nosso Estado e assim ajudar a construir um legado em prol da categoria”.

Queijo do Marajo da Fazenda Sao Victor conquista mais um premio internacional
Certificado da conquista deste ano do queijo do Marajó da Fazenda São Victor – Foto: Divulgação

Sobre a Fazenda São Victor

A história da Fazenda São Victor começou em 2000, depois que Marcus retornou de um período estudando agrobusiness nos Estados Unidos e, assim, se sentiu preparado para começar a sua própria criação de búfalas leiteiras em Salvaterra. Seis anos depois, em 2006, já ao lado de Cecília, o casal começou a produzir o queijo do Marajó.

Mas vale lembrar que o envolvimento do casal com o queijo do Marajó antecede o início da queijaria da Fazenda São Victor, haja vista que ambos possuem uma descendência muito tradicional de criadores de búfalos na Ilha do Marajó, de mais de 200 anos, seguindo, portanto, uma receita secular.

Fazenda São Victor completa 15 anos produzindo queijo do Marajó2
Produção do queijo do Marajó de Marcus e Cecília Pinheiro é reconhecida nacionalmente e internacionalmente – Foto: Divulgação

Ao decorrer desses 15 anos de produção, o queijo do Marajó da Fazenda São Victor ganhou vários prêmios. Entre eles: Prêmio Ouro do Encontro Nacional de Criadores de Búfalo e Marajó Búfalos em 2017; Prêmios Queijo Brasil, sendo Bronze em 2017, Super Ouro em 2018 (com 500 queijos artesanais brasileiras participantes, ficando com o 1º lugar isolado) e Ouro em 2019; e, por fim, o Prêmio Prata e Bronze do Mondial du Fromage et des Produits Laitiers, na França.

Além disso, o Queijo do Marajó da Fazenda São Victor ainda possui, desde março de 2020, o Selo Arte. Ou seja, um certificado que assegura que o produto foi elaborado de forma artesanal, com receita e processo que possuem características tradicionais, regionais ou culturais. Bem como autoriza que a Fazenda São Victor venda o produto para outros estados. “Fomos pioneiros na região Norte em obter esse Selo de inspeção”, conta o casal.

Já em março deste ano, o queijo do Marajó teve a sua Indicação Geográfica (IG) reconhecida pelo Instituto Nacional de Propriedade (INPI). Uma certificação que tem como objetivo proteger o nome do Queijo de Marajó, que é símbolo da cultura marajoara, reconhecido no Brasil e no exterior. Dessa forma, ninguém fora do território delimitado pelo INPI poderá usar o mesmo nome em um queijo, restringindo o uso aos produtores e prestadores de serviços, de fato, da região.

Instagram: @queijodomarajodafazendasaovictor | Facebook: Queijo do Marajó/ Fazenda São Victor

Fonte: Natália de Oliveira/Assessoria de Imprensa Agrovenki
Crédito das fotos: Divulgação/Queijo do Marajó da Fazenda São Victor

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.