Produzir mais com menos é o caminho do leite

FIP Paisagens Rurais traz resultados positivos para pecuaristas de leite de Minas Gerais
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Produzir mais com menos é o caminho do leite
O casal Arlete Beatriz Almeida e Santos de Almeida, de Uberaba (MG), é um desses exemplos de recuperação – Foto: Divulgação Senar
Áudio

Os produtores de leite atendidos pelo FIP Paisagens Rurais estão conseguindo melhorar a produção, recuperar pastagens degradadas e preservar o meio ambiente com as orientações técnicas e gerenciais oferecidas pelo projeto.

Depois de perder animais e precisar abandonar a atividade por um período, o casal conseguiu juntar dinheiro para comprar outras vacas e retomou a produção de leite. Agora, com o auxílio do FIP Paisagens Rurais, eles conseguiram organizar as finanças e investiram em um tanque de resfriamento. Hoje, produzem 60 litros/dia com oito vacas.

“Queremos tirar mais leite com menos vacas, ao menos uns 200 litros por dia. O leite é tudo para a gente. Podemos beber, dar para as crianças, fazer um queijo ou um requeijão de vez em quando”, disse o casal.

Outra melhoria que trouxe ganho produtivo e ambiental foi a instalação de um bebedouro para o gado. Antes, os animais bebiam água diretamente no rio e isso provocava o assoreamento do local. Com o novo equipamento no curral, a recomposição da área de preservação permanente se tornou viável.

“É necessário fazermos medidas para evitar assoreamento e carreamento de solos para dentro do rio, principalmente nessa área, que está localizada na cabeceira da Bacia do Rio Tijuco. Temos cerca de sete mil propriedades que estão abaixo desse ponto do rio”, explicou o gestor do FIP Paisagens Rurais do Senar-MG, Ricardo Tuller.

Produção do leite

O manejo adequado do solo, fundamental para um pasto mais rico em nutrientes para os animais, é outro objetivo do projeto. Segundo a técnica de campo do Senar-MG, Carolina Moreira, a pastagem foi preparada com arações e gradagens, além de receber adubação e uma cultivar mais produtiva.

Nos próximos meses também deverá ser implementado um sistema de pastejo rotacionado em 30 piquetes. Carolina orientou, ainda, os produtores a picar cana e misturar com capim para reforçar a nutrição do rebanho. Assim como as dicas de manejo, o casal aprendeu a cuidar da parte gerencial e agora anota todos os insumos utilizados na produção do leite.

“Tanto a parte técnica e gerencial quanto a ambiental devem andar sempre juntas, uma do lado da outra. Se for causado algum impacto ambiental aqui na propriedade, muito provavelmente esse impacto vai ter uma resposta na parte produtiva”, afirmou ela.

Na opinião do coordenador do FIP Paisagens Rurais no Ministério da Agricultura, Sidney Medeiros, um dos principais benefícios do projeto é a resiliência dos produtores rurais e a adaptação das propriedades a eventos extremos climáticos.

FIP Paisagens Rurais – A iniciativa prevê a recuperação de 100 mil hectares de pastagens degradadas e de sete mil hectares de APPs e reservas legais em quatro mil propriedades rurais, por meio da Assistência Técnica e Gerencial do Senar na Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Tocantins. O Projeto Gestão Integrada da Paisagem no Bioma Cerrado (FIP Paisagens Rurais) é financiado com recursos do Programa de Investimento Florestal, através do Banco Mundial.

A coordenação é do Serviço Florestal Brasileiro (SFB) e da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa); com parceria da Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ), do Senar e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), por meio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e da Embrapa.

Fonte: Senar
Foto: Divulgação Senar

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.