Preços da carne suínas registram alta

No final de setembro, o quilo do suíno vivo pago ao produtor estava cotado em R$ 7,49 pelo aumento da demanda interna e das exportações do produto.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Preços da carne suínas registram alta
Aumento da demanda interna e das exportações explicam a alta de preços da carne suína – Foto: Divulgação Acrismat
Áudio

O segundo semestre do ano costuma ser aguardado por produtores rurais como um período de aumento no consumo de carne e também nos preços pagos pela produção. No caso da carne suína, a cotação feita pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (CEPEA), da ESALQ-USP, em 24 de setembro, estava em R$ 7,49 o quilo do animal vivo, em Minas Gerais, e o quilo da carcaça especial negociada no atacado na Grande São Paulo era de R$ 10,58, em média. Os valores representam alta de 15,59% e 14,63% no mês, respectivamente.

Por conta de crescimento nas exportações entre janeiro e agosto deste ano, quando foram embarcadas 765,5 mil toneladas, alta de 11,53% em relação ao mesmo período do ano passado, e aumento de 21,3% nas receitas com as vendas ao exterior (US$ 1,805 bilhão), segundo informações da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), e também de maior consumo interno, a valorização da carne suína chega a cerca de 35% desde o início do ano.

Edson Pereira de Freitas, assessor de vendas em uma empresa especializada em negociações agropecuárias, explica que, embora os consumidores estejam insatisfeitos com a alta, os reajustes são necessários para evitar prejuízos.

“Os preços precisam acompanhar os investimentos de forma de gerem lucro, e não apenas cubram as despesas. Todas as carnes estão muito caras, mas este é um efeito em cadeia, os produtores apenas repassam os aumentos que chegam para eles”, disse.

Há 35 anos no ramo, Roberto Silveira Coelho está entre os principais suinocultores da região e destaca que os novos preços para a carne de porco conseguem impulsionar os lucros e o comércio.

“Com a grande taxa de exportações, nosso mercado interno está desabastecido. Apesar disso, a procura por aqui ainda é grande, especialmente neste momento de crise, porque os consumidores estão pensando no quanto suas compras pesarão no bolso e optam pelos tipos de carne mais baratas”, esclareceu o produtor.

Devido ao preço da carne de vaca, o consumo de carne suína no mercado interno tem aumentado desde o ano passado.

“Mesmo com o encarecimento, as vendas estão muito boas, mas o consumo de suínos realmente aumentou. A procura por aves costuma ser alta durante todo o ano e não sei se os preços influenciam neste aspecto, porque se trata de outro tipo de produto. Sabendo que a economia está bem lenta, muita gente optou por trocar a carne bovina”, informa Fabiana Borges de Assis, que auxilia seu pai no setor administrativo de uma casa de carnes em Passos.

Segundo a ABPA, as exportações de carne suína in natura e processada voltaram a ultrapassar 100 mil toneladas no mês de agosto. O aumento foi de 37,03% em relação ao mês de julho e, comparando com o mesmo período do ano passado, o crescimento foi de 47,03%.

Fonte: Folha da Manhã
Foto: Divulgação Acrismat

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.