Paraguai incentiva venda da carne de búfalo em açougues e mercados

O país vem incentivando as criações voltadas à pecuária bubalina e também a produção de derivados do leite de búfala.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

Mercados e açougues do Paraguai estão com balcões e gôndolas repletas de carne de búfalo. Isso porque o país tem incentivado os produtores do setor a disponibilizarem essa opção de proteína vermelha, obtida dos bubalinos. Um dos fatores que motivam ainda mais os criadores é a longevidade dos animais, que têm uma vida produtiva até os 25 anos. O grande fato é que esse tipo criação tem uma produtividade maior ao longo da vida, em relação aos bovinos.

A Associação Paraguaia de Criadores de Búfalos, a Apacribu, conta hoje com 150 produtores de búfalos registrados no país, e a maioria deles está distribuída nas regiões de Bajo Chaco, Ñeembucú, Paraguarí e San Pedro.

A ciência a favor da carne de búfalo

Um estudo publicado pela Universidade da Costa Rica apontou estatísticas quanto ao consumo, mostrando que a proteína de búfalo é muito mais saudável do que a  encontrada na carne bovina. Isso se justifica por conta no menor índice de calorias e gorduras. Além do mais, a carne de búfalo é muito mais rica em minerais como o ferro.

Os cortes oferecidos nos estabelecimentos

Os consumidores estão escolhendo os cortes premium: alcatra, lombo, tapa. E eles não param somente na carne de búfalo, já que os derivados do leite e os embutidos quando cada vez mais espeço no mercado. Os produtores já estão em ação também nestes segmentos, desenvolvendo produtos como queijo de búfala, hambúrgueres, manteiga, linguiças e muito mais.

Fonte: Apacribu – Associação Paraguaia de Criadores de Búfalos

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.