Mercado de lácteos estável no Paraná

Pelo segundo mês consecutivo, o mercado de lácteos manteve tendência de estabilidade no Paraná.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Mercado de lácteos estável no Paraná
Áudio

Os derivados com maior participação no mix seguem relativamente estacionados, mas valorizados. O comportamento do setor tem relação direta com a oferta um pouco abaixo da média para esta época do ano, afetada pela estiagem prolongada. O cenário do mercado de lácteos foi apresentado em reunião do Conselho Paritário Produtores/Indústrias de Leite do Paraná (Conseleite-PR), realizada em 28 de setembro, de forma remota.

O colegiado aprovou a projeção do valor de referência de R$ 1,9165 para o litro de leite entregue em setembro a ser pago em outubro: queda de 0,17% em relação ao levantamento anterior. O valor de referência é usado como parâmetro na negociação entre produtores e os lacticínios. “As nossas projeções do período anterior se confirmaram.

O mercado está em estabilidade, em um nível de preços nominais elevados. São preços próximos dos praticados no mesmo período do ano passado e bem maiores que os anos anteriores”, observou José Roberto Canziani, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e um dos responsáveis pelo levantamento.

Responsável por 24% do mix de comercialização, o leite UHT é um dos produtos que permanece estável desde julho. Os preços do derivado estão um pouco maiores (2,40%) do que os praticados em setembro do ano passado, mas bem maiores que os verificados em anos anteriores. Em relação a 2019, por exemplo, a alta do UHT chegou a 48%.

Produto que responde por quase a metade do mix, o muçarela também praticamente andou de lado: a alta projetada é de 0,34% em relação a julho. Outro queijo com comercialização expressiva, o prato teve oscilação um pouco maior, com valorização de 2,62%. Parmesão e provolone, por sua vez, registraram leve queda. “De modo geral, os queijos estão em valores nominais um pouco abaixo dos verificados no pico do ano passado, mas com preços bastante valorizados”, resumiu Canziani.

Outros produtos com expressividade no mix, o leite spot teve leve valorização de 1,22%, enquanto o pasteurizado veio em alta de 2,73%. Entre os derivados com maior peso, a exceção foi o leite em pó, cujos preços recuaram 4% – em razão de as indústrias terem aumentado a produção de leite em pó desnatado, que tem preço menor.

Por outro lado, entre os produtos com menor comercialização, o requeijão deu sequência a sua escalada de preços, com valorização de 6,80%. O doce de leite também registrou movimento semelhante, com alta de 3,40%. O iogurte, cujos preços já tinham dado um salto em abril, tiveram novo movimento positivo, oscilando 5,04%.

Problemas no mercado de lácteos

A reunião também abordou um problema recorrente do setor: a alta continua dos custos de produção, provocada pela valorização dos grãos. Ainda assim, produtores e indústrias de lácteos manifestaram resiliência. “Estamos com os custos de produção extremamente elevados. Temos relatos de produtores que não conseguem alimentar seu rebanho, de indústrias afogadas em função da competitividade e mercado consumidor travado. Mas nosso setor é sempre otimista. Esperamos um final de ano melhor do que estamos agora”, observou o presidente do Conseleite-PR, Ronei Volpi, que representa o Sistema FAEP/SENAR-PR no colegiado.

Fonte: FAEP/SENAR-PR
Crédito da foto: Divulgação/FAEP/SENAR-PR

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.