Maior rede de postos do agronegócio brasileiro expande atuação para a região sul

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Maior rede de postos do agronegócio brasileiro expande atuação para a região sul
Aérea da construção / Foto: Divulgação
Áudio

A Parada Vendrami, centro comercial que está sendo construído na rota agrícola da BR- 376 – em Ponta Grossa (PR) -, acaba de fechar parceria com o Grupo Kurujão, considerada a maior rede de postos de combustíveis do agronegócio brasileiro, sendo que suas unidades estão localizadas nos estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Minas Gerais, São Paulo e agora Paraná.

Voltada para viajantes e caminhoneiros que fazem o transporte das principais empresas do setor do agronegócio, a Parada Vendrami (com posto, central de cargas e centro comercial) possui 42.600 metros quadrados de área total e terá mais de 5.000 metros quadrados de área construída. Está estrategicamente dentro do Distrito Industrial de Ponta Grossa (o maior do interior do estado), distante 95 km de Curitiba e 190 km de Paranaguá.

Complexidade do Projeto Kurujão

O complexo contempla um megaprojeto pensado para atender a todas as necessidades dos viajantes. Haverá ali lojas de pneus, lonas, acessórios, conveniências, restaurante, central de reparos, estacionamento para 215 caminhões (ou mais de 80 bitrens), 5 ônibus, 210 carros e 20 motos, entre outros serviços – tudo em um só lugar. Além disso, a Parada Vendrami contará com uma Central de Cargas com 20 escritórios comerciais para transportadoras, seguradoras, cooperativas e empresas que prestam serviços aos profissionais da estrada. Todas estas áreas serão alugadas para os empreendedores montarem seus negócios.

“O Paraná estava no nosso radar há algum tempo e veio ao encontro do que queríamos. É uma região de economia alta e estaremos perto de grandes transportadoras. Acreditamos muito na parceria com a Parada Vendrami”, diz Douglas Reis, presidente do Grupo Kurujão, que possui uma história de 30 anos, 124 postos de combustíveis ativos pelo Brasil e outros 11 em construção.

“A Parada Vendrami será administrada como um shopping, com manutenção, segurança e iluminação. Todos os empreendedores compartilham da mesma estrutura e dividem custos, podendo focar exclusivamente em suas atividades. Então será o melhor custo operacional para instalar um negócio na estrada”, destaca Vinicius Vendrami Malucelli, sócio no projeto com seu irmão Antonio Vendrami Malucelli.

Os empresários esperam um grande movimento, afinal, mais de 20 mil veículos transitam todos os dias pela rodovia onde a obra está sendo construída. Vale lembrar, também, que está na rota do agronegócio – 24% de toda a produção de soja, milho e farelo de soja passa em frente à Parada Vendrami – e do turismo, sendo o principal entroncamento rodoviário do Sul. “É um local estratégico e que oferecerá um amplo atendimento. Em uma única parada o caminhoneiro poderá resolver várias questões, como: conseguir um frete, abastecer o veículo, adquirir acessórios, comprar um pneu, alimentar-se e descansar”, destaca Vinicius.

O nome do empreendimento é uma homenagem ao avô dos sócios, o senhor Antônio Vendrami, que fez o primeiro empreendimento no local há 40 anos. “E nós víamos, há muitos anos, que não havia empreendimentos modernos na estrada. Como Ponta Grossa é um ponto logístico extremamente importante para o Brasil, resolvemos criar a Parada Vendrami”, conta Vinicius. “Quando resolvemos iniciar este projeto, decidimos optar por algo inovador, diferente, como as paradas que existem nos Estados Unidos e na Europa.”

Agora que o cenário da pandemia ficou mais claro, parte-se para a conclusão da Parada Vendrami, cuja inauguração está prevista para maio do próximo ano.

Fonte: Via assessoria
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Perspectivas climáticas para a primavera foram anunciadas em 21 de setembro pelo Inmet.
A indústria de alimentos foi identificada como o principal impulsionador da perda de biodiversidade e responsável por 1/3 das emissões globais de gases do efeito estufa.
Proposto em conjunto com Eletrobras, para descabornização na Amazônia, pacto pretende viabilizar projetos de energias renováveis para substituir o uso intensivo do diesel na região.
De acordo com a consultoria Safras & Mercado, a semana teve início com fluxo inexpressivo de negócios no mercado físico do boi gordo.