Leite e suas cotações no primeiro trimestre

Os valores devem ficar bem acima dos verificados no mesmo período de 2020, quando a média foi de R$ 1,4655 o litro, em termos reais. Motivo seria a limitada disponibilidade de matéria-prima no período, com volumes abaixo da média registrada no mesmo período de 2020, informa o centro de estudos - os valores foram deflacionados pelo IPCA de dezembro/20.
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

A previsão do Cepea é que os preços devem se manter firmes

Os valores devem ficar bem acima dos verificados no mesmo período de 2020, quando a média foi de R$ 1,4655 o litro, em termos reais.  Motivo seria a limitada disponibilidade de matéria-prima no período, com volumes abaixo da média registrada no mesmo período de 2020, informa o centro de estudos – os valores foram deflacionados pelo IPCA de dezembro/20.

A avaliação é de pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP), apresentada em boletim mensal de janeiro, que destaca que, em dezembro passado, o preço do leite pago ao produtor pela matéria-prima entregue em novembro foi de R$ 2,1262 o litro, na “Média Brasil” líquida, em valores reais.

Conforme o Cepea, as cotações devem continuar firmes em virtude da limitada disponibilidade de matéria-prima, especialmente no primeiro trimestre do ano, com volumes de leite abaixo da média registrada para o mesmo período de 2020.

Esse cenário se deve ao clima desfavorável no ano passado – tempo seco e temperaturas elevadas, que prejudicaram as pastagens – e ao aumento contínuo nos custos de produção; os valores dos dois principais componentes da ração, o milho e o farelo de soja, atingiram patamares recordes. Do lado da demanda, a limitação na oferta deve manter elevada a competição entre laticínios na compra de leite para repor estoques.

Reflexos nos laticínios

O consumo de lácteos pode continuar desacelerando, com a redução da demanda agregada e a perda do poder de consumo do brasileiro – em virtude da pandemia, do fim do auxílio emergencial e da alta do desemprego. “Esse cenário, por sua vez, tende a pressionar as indústrias a diminuírem os patamares médios anuais de preços do leite pagos aos produtores”, estima o centro de estudos.

“No encerramento de 2020, as cotações dos derivados lácteos ainda registraram médias elevadas em comparação com o mesmo período de 2019”, pondera o Cepea. Em dezembro de 2020, o preço médio do leite longa vida atingiu R$ 3,23/litro, 28% acima do registrado em dezembro de 2019, em termos reais.

Produção e insumos

O poder de compra de pecuaristas frente aos insumos de alimentação pode cair e dificultar possíveis incrementos na produção. Os custos de produção devem ser um grande gargalo ao pecuarista leiteiro. Isso porque os preços do milho e do farelo de soja devem se manter altos em 2021, sustentados pelas aquecidas demandas interna e externa por esses grãos.

Fonte: Cepea

Relacionadas

Veja também

A agroindústria constitui importante alternativa na geração de empregos, sucessão familiar e renda no meio rural. Para incrementar os negócios há programas efetivos
O Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) recebe até o dia 24 de janeiro as inscrições para a seleção dos cursos técnicos gratuitos e a distância em Agronegócio, Fruticultura e Zootecnia
A Faculdade CNA está com inscrições abertas até o dia 23 de fevereiro para o vestibular de quatro graduações a distância
Reunindo um pequeno grupo de convidados e autoridades a Associação Brasileira de Criadores de Ovinos (ARCO) celebrou seus 80 anos, dia 18 último, em sua sede (Bagé, RS)