Lançamento do Laboratório de Fermentação Ruminal e Nutrição de Bovinos de Corte do IZ

Em entrevista ao Portal MAB, a zootecnista e pesquisadora Renata Branco, com especialização na área de Nutrição de Ruminantes, explica a atuação do laboratório de análises e pesquisas junto à cadeia produtiva

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Lançamento do Laboratório de Fermentação Ruminal e Nutrição de Bovinos de Corte do IZ
Foto – Divulgação
Áudio

A zootecnista Renata Branco é a responsável pelo Laboratório de Fermentação Ruminal e Nutrição de Bovinos de Corte, que faz parte do Instituto de Zootecnia – IZ. Em entrevista exclusiva ao Portal MAB, a profissional, com formação na área de Nutrição de Ruminantes, nos conta como e por quais razões o laboratório foi criado e como atua junto ao centro de pesquisa avançada em bovinos de corte.

“O objetivo do laboratório é entender e aumentar a eficiência de utilização de alimentos, seja pela inserção de novas moléculas no mercado, por blends com moléculas resistentes ou por dietas. Buscamos diminuir as emissões entéricas de metano e otimizar a fermentação ruminal, aumentando a produção de ácidos graxos, síntese de proteína microbiana, dentre outras coisas”, explica a pesquisadora.

Renata Branco é formada em Zootecnia pela UNESP de Botucatu/SP, em 1996. Realizou mestrado e doutorado na Universidade Federal de Viçosa/MG, na área de Nutrição de Ruminantes. E afirma que sempre quis trabalhar nessa área. “Cresci no meio rural. Aos finais de semana ia com meus avós para a fazenda e amava o contato com os animais. Quando comecei a cursar Zootecnia, realmente vi que realmente era minha paixão.”

MAB – Como e quando surgiu a ideia desse laboratório no IZ?

Renata Branco – O laboratório surgiu quando estávamos escrevendo um Plano de Desenvolvimento Institucional do Instituto de Zootecnia – IZ para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP, em 2017, quando eu era Diretora do Instituto de Zootecnia – IZ. Com minha formação na área de Nutrição de Ruminantes, trabalhei nisso desde que entrei no IZ, focado para o Programa de Melhoramento Genético.

Para mim, faltava alguma coisa relacionado à cadeia produtiva, para otimizar a produção animal, a dieta de confinamento em substituição aos aditivos que tínhamos no mercado até hoje, e também a proibição de monensina. Então, quis entender um pouco mais o que acontecia no ambiente ruminal e fui atrás do que tinha de novo dentro desta área.

Após isso, levei isso ao nosso laboratório, onde existe a produção de gases e conseguimos medir a produção de metano, CO2, N2O, que é produzido através da fermentação ruminal. Conseguimos entender e medir também a parte de ácidos graxos de cadeia curta através da fermentação ruminal, tudo isso InVitro. Por fim, eu queria entender mais como tudo isso funcionava dentro do ambiente ruminal, qual era o potencial do alimento em promover isso.

MAB – Vocês receberam incentivos para desenvolver esse trabalho?

RB – Sim, quando começamos a desenvolver o trabalho, realizamos um pedido grande à FAPESP, de aproximadamente quinze milhões de reais, com bolsas e projetos auxiliares, além de um projeto chamado de Jovem Pesquisador. Meu objetivo era que esse Jovem Pesquisador pudesse me auxiliar, pois dentro do IZ, sou a única pesquisadora que trabalha nesta área, com muita demanda de tempo. Aprovado o referido projeto, hoje conto com auxílio do Dr. Eduardo Marostegan de Paula, que trabalha diretamente comigo. Anteriormente, o Dr. Eduardo trabalhou nos EUA, e assim trouxemos esta temática para o Brasil.

MAB – Qual é a principal meta do laboratório?

RB – O objetivo do laboratório é entender e aumentar a eficiência de utilização de alimentos, seja pela inserção de novas moléculas no mercado, por blends com moléculas resistentes ou por dietas. Buscamos diminuir as emissões entéricas de metano e otimizar a fermentação ruminal, aumentando a produção de ácidos graxos, síntese de proteína microbiana, dentre outras coisas.

“Quando se entende quais são os padrões de fermentação de cada alimento, nutriente, aditivo, torna-se mais fácil de realizar uma dieta que otimize a fermentação, que diminua os drenos e as emissões de metano”

 MAB – Quantos laboratórios técnicos estão ligados ao IZ hoje?

RB – Hoje, o Instituto de Zootecnia – IZ, nos diferentes centros de pesquisa, conta com seis unidades laboratoriais de referência. Porém, nosso laboratório não é uma unidade de referência, é um laboratório recente e de pesquisa, onde são realizadas diversas pesquisas junto com a cadeia produtiva e a iniciativa privada.

lancamento do laboratorio de fermentacao ruminal e nutricao de bovinos de corte do iz 1 1
Renata Branco, zootecnista e responsável pelo Laboratório de Fermentação Ruminal e Nutrição de Bovinos de Corte, que faz parte do Instituto de Zootecnia – IZ. Foto – Divulgação

MAB – Comente sobre a importância da temática ‘Fermentação Ruminal e Nutrição’

RB – Fermentação ruminal é o mais importante, pois alimentamos as bactérias que estão no rúmen e não os animais. Tudo que o animal absorve ou sua maior parte de fonte energética, vem da produção da fermentação ruminal, seja pelos ácidos graxos de cadeia curta, uma grande parte de proteína (cerca de 60% do que o animal absorve de proteína, dependendo da dieta, vem da síntese de proteína microbiana), e também o dreno de hidrogênio, que é o metano, vem da fermentação ruminal. Então, a fermentação ruminal para mim, é uma das coisas mais importantes a serem estudadas em nutrição de ruminantes. Quando se entende quais são os padrões de fermentação de cada alimento, nutriente, aditivo, torna-se mais fácil de realizar uma dieta que otimize a fermentação, que diminua os drenos e as emissões de metano. A fermentação ruminal está ligada intimamente a isso.

MAB – De que forma esse trabalho auxilia o pecuarista e o setor como um todo?

RB – O laboratório é ligado ao centro avançado de pesquisas em bovino de corte. Atua juntamente e faz parte do IZ, onde sou a responsável. Lá, realizamos pesquisas junto a outros colegas que tenham demanda de análise. Focamos o laboratório junto às nossas pesquisas, seja com agência de fomento ou iniciativa privada, trabalhando todos os dias da semana, muitas vezes até vinte e quatro horas por dia.

MAB – Comente sobre a importância no avanço de pesquisas na agropecuária, especialmente aqueles ligados à nutrição, manejo, saúde, ciência e tecnologia

RB – O avanço que tivemos nas pesquisas nos últimos trinta ou quarenta anos é de extrema importância. Sou formada há vinte e cinco anos, na minha época, não existia essa quantidade de pesquisa como de hoje e atividades junto a isso. Nós só somos grandes produtores de produtos de origem animal e vegetal porque existem pesquisas. Sem isso, o Brasil não seria o que é hoje, nesta área. Ainda existem muitas coisas para ser estudadas e avaliadas, principalmente a nutrição, manejo, sanidade, pois ainda seguimos alguns modelos de fora do país. Porém, nossos produtos são diferentes, nosso clima e raças são diferentes. Portanto, precisa-se investir mais na área da pesquisa, onde contamos com excelentes pesquisadores no país.

MAB – Gostaria de destacar outros pontos relevantes sobre a pecuária de corte no Brasil?

RB – Acredito que vários pontos necessitem ser trabalhados, como a parte de manejo, bem-estar animal, qualidade de carne, como conseguimos atingir a qualidade do produto, além da parte de programação fetal – fêmeas merecem destaque na cadeia produtiva, pois não são menos exigentes que machos e não podem ser tratadas como são até hoje. Atualmente discute-se sobre emissão ode metano, e é necessário entender mais sobre a cadeia como um todo, seja com forragens de melhor qualidade, pastagens melhores, dietas mais balanceadas, assim conseguiremos diminuir emissões de metano e aumentar a produtividade do sistema. Não se deve esquecer também de reprodução animal, uma questão de muita relevância.

Fonte: Redação Agrovenki
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Depois dos tombos na semana passada, preços da arroba registram valorização em algumas importantes regiões do País, como nas praças do Mato Grosso, informa a consultoria
No Tocantins, confinamento é estratégia de gestão da fazenda, observa equipe do Confina Brasil.
Ao todo, serão ofertados 320 vacas em lactação e prenhas, além de 30 novilhas prenhas
Transferência de Embriões, Fertilização In Vitro e Inseminação Artificial por Laparoscopia estão entre as técnicas mais utilizadas pelos criadores da raça Dorper e White Dorper visando o melhoramento genético de seus rebanhos