O Instituto de Pesca trabalha para incluir o pescado na Alimentação Escolar

Pesquisadores do IP, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP, afirmam que alimento é fundamental para segurança alimentar e nutricional

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
O Instituto de Pesca trabalha para incluir o pescado na Alimentação Escolar
A iniciativa da inclusão do pescado visa a segurança alimentar e nutricional da população – Foto: Divulgação
Áudio

O Instituto de Pesca (IP-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tem atuado para inclusão do pescado na alimentação escolar. A iniciativa visa a segurança alimentar e nutricional da população, por meio da inserção de alimento saudável no cardápio da merenda das escolas. 

De acordo com a pesquisadora do IP, Rubia Tomita, desde 2009, o IP realiza eventos e debates com tomadores de decisão, organizações e instituições escolares para incentivar a inclusão do pescado na merenda. “Estamos sempre buscando a troca de ideias e experiências, informações científicas e técnicas sobre o pescado, seu valor nutricional e benefícios à saúde de crianças e jovens. Também buscamos promover alianças estratégicas no setor de alimentação escolar, além de instruir e capacitar os diferentes atores da cadeia produtiva envolvida”, conta. 

Neste contexto, já foram realizados testes sensoriais em escolas públicas do município de Itanhaém quanto à aceitação de preparações à base de carne mecanicamente separada (CMS) de pescado pelos estudantes, como o macarrão tipo à bolonhesa e escondidinho de peixe. Testes sensoriais realizados com crianças de nove a 12 anos mostraram que a aceitação superou 85% para as duas preparações. 

“A concepção destas receitas considerou a especificidade do público-alvo, bem como as limitações de tempo, ingredientes, estrutura e equipamentos disponíveis nas unidades escolares. Esta iniciativa, em parceria com a Prefeitura Municipal de Itanhaém, recebeu premiações como o Josué de Castro de Combate à Fome e à Desnutrição, concedido pelo Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA – SAA/SP) na categoria Projeto de Pesquisa, e Inovação Aquícola, concedido pela Aquaculture Brasil, Aquishow Brasil e Seafood Brasil, em 2019, na categoria Política Institucional”, afirma Rubia.

Workshop em comemoração do Dia Mundial da Alimentação

Segundo a pesquisadora do IP, nos dias 13 e 14 de outubro deste ano, durante a semana em que se comemora o Dia Mundial da Alimentação, a Unidade Laboratorial de Tecnologia do Pescado do Instituto realizará a quinta edição do Workshop sobre a Inclusão do Pescado na Alimentação Escolar.

“Queremos, por meio do compartilhamento de informações científicas, criar um ambiente político-econômico positivo, necessários para que este importante alimento promova a saúde de crianças e jovens e para a formação dos consumidores de pescado no futuro”, afirma.

Pescado é altamente nutritivo

O pescado é um alimento altamente nutritivo por ser rico em proteína de alto valor biológico, ácidos graxos polinsaturados (especialmente ômega-3), vitaminas (A, D, K, E), sais minerais, como o cálcio, potássio, sódio, magnésio, ferro e zinco. Segundo Rubia, ele tem papel fundamental na segurança alimentar e nutricional, especialmente quando se fala em crianças e jovens. 

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 2014, indicavam que 42 milhões de crianças – menores de l8 anos – apresentavam sobrepeso no mundo, das quais 31 milhões se encontravam nos países em desenvolvimento. As previsões atuais são de aumento, onde o consumo de guloseimas, batatas fritas, refrigerantes, alimentos com alto teor de açúcares e gordura contribuem para elevar o risco do sobrepeso e obesidade, dentre outras enfermidades. 

“Na realidade vivemos um desafio duplo, o sobrepeso infanto-juvenil de um lado e o déficit nutricional do outro. Por isto, promover a introdução do pescado na Alimentação Escolar (AE) é uma ação muito importante para a Segurança Alimentar e Nutricional e para promover a saúde no Estado de São Paulo, especialmente nestes tempos de pandemia, onde estar em dia com a saúde pode colaborar muito para o enfrentamento da Covid-19”, afirma.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Câmara Temática de Insumos debate demora no registro de inovações tecnológicas
Apesar de sucessivos recordes nas exportações brasileiras de produtos do agronegócio, ainda é preciso melhorar a imagem do Brasil.
Alta do dólar em meio a pandemia elevou exportação e esvaziou mercado interno. Castigo ao consumidor brasileiro deve perdurar, em meio a safras recordes.
Campanhas e pessoas como Carlos Alberto da Silva, da Publique; veículos como o jornal Estadão; e agências como a Santa Clara, foram lembrados.