O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

IBEqui pede inclusão de profissionais do cavalo nos grupos prioritários de vacinação

Solicitação foi apresentada durante reunião com a Câmara Setorial de Equideocultura do MAPA, que também criou quatro grupos de trabalho e indicou seus membros
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Em carta ao presidente da Câmara Setorial de Equideocultura do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), José Carlos Lodi Fragoso Pires, o Instituto Brasileiro de Equideocultura (IBEqui) pleiteou que todos os médicos-veterinários, zootecnistas, engenheiros agrônomos, dentre outras atividades correlatas à economia do cavalo sejam incluídos entre os grupos de prioridade da vacinação contra o coronavírus (Covid-19).

“O setor de equideocultura representa um campo repleto de oportunidades, grande gerador de empregos e potência econômica e social dentro do agronegócio brasileiro. Suas atividades são consideradas essenciais e o cavalo, em especial, tem papel fundamental exercendo funções em diversas áreas, desde a lida no campo, bem-estar animal, segurança pública, inclusive nas forças amadas e até a saúde humana por meio da equoterapia”, explica Manuel Rossitto, presidente executivo do IBEqui. O presidente da Câmara Setorial se comprometeu a repassar com urgência o pedido à ministra Tereza Cristina.

Reunião

Em reunião realizada na tarde da quinta-feira (15/04), a Câmara Setorial de Equideocultura do MAPA, que é composto por representantes de uma variedade de entidades do setor público e privado, indicou os integrantes dos quatro Grupos de Trabalho criados pelo colegiado. O presidente da CS. José Carlos e o do secretário, Antônio Siqueira Assreuy, que reiteraram a importância da criação dos GTs para poderem dar a atenção apropriada aos temas prioritários da Câmara Setorial. Foram criados os Grupos de Trabalho de Saúde Animal, Bem-Estar Animal; Inovações no Turfe; e Inovação e Tributação na Equideocultura. “Sendo constituídas, o próximo passo é agendar a primeira reunião dos quatro grupos o quanto antes, para que possam propor uma agenda, elaborar planos de trabalho e apresentar à Câmara”, explicou.

O presidente aproveitou a reunião para nomear os coordenadores de cada Grupo de Trabalho. Representando o IBEqui, Manuel Rossitto foi escolhido para assumir a coordenação do Grupo de Trabalho de Inovação e Tributação na Equideocultura e César Vilela, consultor técnico, coordenará o de Bem-Estar Animal. Thomas Walter Wolff será o coordenador do GT de Saúde Animal e Antonio Quintela, o de Inovações de Turfe.

“O IBEqui está à disposição da Câmara Setorial para ajudar a estruturar os projetos elaborados por todos os grupos aqui representados, seja no âmbito público ou no privado. Temos especialistas em várias áreas de atuação e estamos prontos para trabalhar juntos em prol da equideocultura no Brasil”, ressaltou Rossitto.

A reunião também contou com uma apresentação sobre “Antidoping – os desafios para se ter e manter um laboratório de nível internacional”, elaborado pela Dra. Mayra Frederico, superintendente da Associação Brasileira dos Proprietários e Criadores de Cavalos de Corrida; Márcia Camargo, coordenadora; e Mirtes Souza, bioquímica sênior, ambas do Laboratório de Controle e Pesquisa Antidoping do Jockey Club de São Paulo. A representante do MAPA, Eliana Lara Costa apresentou, em seguida, o Protocolo Privado de Quarentena, com sugestões de Thomas Walter Wolff (consultor técnico da Câmara Setorial) e da Dra. Patrícia Brossi (médica veterinária e representante técnica da Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Mangalarga Marchador).

Ao final da reunião, o presidente fez questão de esclarecer que toda a equipe técnica do Ministério está à disposição de todos os Grupos de Trabalho.

Fonte: IBEqui – Instituto Brasileiro de Equideocultura