Hidrogênio verde: o combustível do futuro

O hidrogênio pode ser utilizado na siderurgia, na indústria química, na produção de cimento, do vidro e da cerâmica, entre outros. Andreas F. H. Hoffrichter, diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), discorre sobre o tema e aponta que, para o Brasil, o hidrogênio pode ser a chave para impulsionar ainda mais um setor que contribui muito para a geração do nosso PIB, o agronegócio.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Hidrogênio verde o combustível do futuro
Imagem ilustrativa de hidrogênio verde – Foto: Divulgação
Áudio

Imagine se fosse possível obter energia usando água como matéria-prima em substituição ao petróleo e ao gás natural, reduzindo a zero a emissão de gás carbônico (CO2) nesse processo. 

A solução, cada vez mais viável economicamente, é a produção de hidrogênio por meio da separação da água em hidrogênio e oxigênio pela utilização da energia elétrica, processo conhecido como hidrólise. Se essa energia gerada vier de fontes limpas e sustentáveis como a eólica, hídrica e solar, resulta o hidrogênio verde, o combustível do futuro!

O Brasil produz 83% de sua energia por meio dessas fontes, que são abundantes. O potencial é enorme e constitui uma vantagem competitiva sem igual, e, também, um meio para reduzir drasticamente as emissões de carbono de modo a atingir as metas firmadas no Acordo de Paris, do qual o Brasil é signatário.

O hidrogênio é três vezes mais potente que a gasolina. A sua combustão libera água na forma de vapor, e, portanto, trata-se de uma energia limpa, um gás de fácil armazenamento e transporte, muito flexível na sua utilização.

O uso da energia elétrica na indústria da mobilidade é irreversível. A indústria automotiva já anunciou o fim do motor a combustão até o final desta década. O hidrogênio pode ser aplicado como alternativa nos casos em que não faz sentido usar uma bateria, e sim um gás ou líquido que pode ser armazenado em tanques, por exemplo, nos ônibus, trens, caminhões pesados e empilhadeiras. Ele também pode ser utilizado na siderurgia, na indústria química, na produção de cimento, do vidro e da cerâmica, entre outros.

Para o Brasil, o hidrogênio pode ser a chave para impulsionar ainda mais um setor que contribui muito para a geração do nosso PIB, o agronegócio. O nosso país é um dos principais produtores mundiais de alimentos – não à toa, é chamado de celeiro do mundo. Ele é o quarto maior consumidor de fertilizantes e importa aproximadamente 80% do total de que necessita.

O hidrogênio é utilizado para sintetizar a amônia, base para produzir a ureia e o nitrato de amônia, que são fertilizantes amplamente utilizados na nossa agricultura. Se produzirmos hidrogênio verde sem emissão de gás carbônico, teremos uma matéria-prima de origem nacional para a produção desses fertilizantes, reduzindo a nossa dependência estratégica das importações e fortalecendo a nossa produção agrícola de modo sustentável.

A produção do hidrogênio verde ainda é cara, mas o seu custo tende a cair, à medida que aumentarmos a produção de energia elétrica renovável e avançarmos no desenvolvimento de processos inovativos de hidrólise com maior eficiência.

Atualmente, são necessários 50.000 KWh para produzir 1.000 KG de hidrogênio verde, quantidade suficiente para abastecer 11 domicílios, com três moradores cada, por um período de um ano.

A Alemanha lançou, recentemente, por meio do seu Ministério Federal da Economia e Energia, o Plano Nacional de Hidrogênio Verde, que constitui e regula a produção, o transporte e a utilização do hidrogênio verde, bem como as inovações e investimentos necessários.

Já foram investidos mais de 8 bilhões de euros para a ampliação da produção de hidrogênio verde, o que representa uma economia de milhões de toneladas de gás carbônico.

Na Europa, estima-se um mercado que crie um faturamento de 800 milhões de euros por ano e que gere 5,4 milhões de empregos até 2050.

A AHK Paraná trabalha intensamente para estimular e intensificar a cooperação entre o Brasil e a Alemanha, e fomentar a produção de hidrogênio verde a fim de promover o progresso econômico sustentável.

Hidrogenio verde o combustivel do futuro 1
Andreas F. H. Hoffrichter – diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) – Foto: Divulgação

Visão da AHK Paraná

Estimular a economia de mercado por meio da promoção do intercâmbio de investimentos, comércio e serviços entre a Alemanha e o Brasil, além de promover a cooperação regional e global entre os blocos econômicos. Esta é a missão da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), entidade atualmente dirigida pelo Conselheiro de Administração e Cônsul Honorário da Alemanha em Curitiba, Andreas F. H. Hoffrichter.

Fundada em 1972, a AHK Paraná integra uma rede composta por mais de 140 Câmaras binacionais alemãs em 92 países ao redor do mundo que trabalham em prol do fomento profissional de seus associados e no estímulo ao networking entre diferentes organizações. Com foco no desenvolvimento do Paraná, a AHK Paraná está entre as cinco melhores e mais completas câmaras bilaterais do Brasil e agrupa empresas de capital ou know-how alemão e companhias brasileiras instaladas no estado com interesses na Alemanha.

Fonte: Tech News Paraná, AHK Paraná
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Está dada a largada para o plantio de 72 milhões de hectares, disponíveis para a safra 2021/2022.
Parceria firmada é um passo visando sustentabilidade e responsabilidade social no campo.
Na média nacional, a produção de café beneficiado em 2021 deve ser 25,7% menor do que no ano passado.
Com objetivo de reduzir incidência de pragas nas lavouras, IMA estima fiscalização presencial em 124 propriedades no estado