Grupo técnico da CATI/CDRS Regional Barretos visita Ciensp em busca de experiências

O Ciensp auxilia os 19 municípios das regiões de Andradina e Araçatuba, tanto em relação ao SIM quanto ao Sisbi

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Grupo técnico da CATICDRS Regional Barretos visita Ciensp em busca de experiências
Granja, um estabelecimento que faz parte da inspeção de produtos de origem animal – Foto: Divulgação
Áudio

No dia 11 de agosto, o diretor da CATI/CDRS Regional Barretos, acompanhado pelo médico veterinário Renato Soares, assistente de planejamento da Regional, e do responsável pela Casa da Agricultura de Colina, engenheiro agrônomo André Fiorotto, fizeram uma visita à sede do Consórcio Intermunicipal do Extremo Noroeste Paulista (Ciensp), em Andradina, e também à Granja Favaro, em Guararapes, município da região de Araçatuba onde Adilson Fávaro produz ovos. 

 O objetivo foi conhecer o trabalho do Ciensp, que oferece suporte a 19 municípios na implantação do SIM (Serviço de Inspeção Municipal) com posterior adesão ao Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi ou Sisbi-POA) que certifica a padronização e harmonização de procedimentos de inspeção de produtos de origem animal (ovos, embutidos, carnes, etc) garantindo ao consumidor a inocuidade (ausência de contaminantes biológicos, químicos ou físicos) e a segurança alimentar.

 “Queremos levar esta experiência do Ciensp a outras regiões para que também possam se organizar para a obtenção do SIM para que, posteriormente, possam obter o Sisbi, o que garantirá aos pequenos produtores a possibilidade de comercialização de produtos de origem animal em todo território nacional”, frisou Rolando Salomão.

O grupo foi recebido pelo coordenador do Ciensp, médico veterinário Fernando Murai, que acompanhou o grupo até a Granja Fávaro e explicou todo o processo de readequação que vem sendo feito e as providências em relação à documentação necessária. O Ciensp auxilia os 19 municípios das regiões de Andradina e Araçatuba, tanto em relação ao SIM quanto ao Sisbi.

Produtores familiares

 Na Granja Fávaro, o grupo foi recebido por Adilson Fávaro, terceira geração de produtores familiares que se dedicam à produção de ovos. “Queremos garantir a qualidade dos nossos ovos, é um alimento de família para família”, contou Adilson que tem recebido o auxílio do Ciensp para readequar ao SIM e obter o Sisbi.

A médica veterinária Renata Lumy Sasdaki é a responsável técnica na Granja e explicou que eles já tinham o Serviço de Inspeção Federal (SIF), porém fizeram a migração para o SIM. “O SIM é mais adequado para os pequenos produtores familiares, o SIF acaba sendo inviável para aqueles de pequeno porte. Com o SIM, adquirido via Ciensp, a Granja já pode comercializar na área de atuação do Consórcio. A intenção futura é obter o Sisbi, pois dessa maneira poderão voltar a comercializar em território nacional, porém de uma forma mais fácil e adequada aos pequenos proprietários”, explicou Renata.

 “É importante ter o SIM porque somos auditados, fiscalizados e com este selo conseguimos vender nossos ovos por um preço melhor. Trabalhamos de forma legalizada, com serviço veterinário na própria Granja, o que ajuda a cuidar melhor da produção, e, assim temos como colocar no mercado um produto com garantia, damos segurança ao consumidor, que pode verificar que o produto é vistoriado, saber onde é produzido, embalado, classificado e isso faz a diferença para os pequenos que têm a oportunidade de continuar trabalhando”, contou, animado, Adilson Fávaro.  

O diretor da CATI/CDRS Regional Mogi Mirim, Diego Barrozo, que já atuou na região de Barretos, diz ser muito importante que as prefeituras que tenham o SIM ativo se cadastrem no e-Sisbi. “É gratificante trabalhar com os pequenos produtores e ver que eles conseguem colocar seus produtos em uma área maior, ampliando o seu acesso não só aos mercados locais, mas à região e outros estados”, afirma Diego Barrozo que parabenizou a equipe de Barretos pela iniciativa. 

Fonte: Centro de Comunicação Rural – CATI/CDRS/SAA
Foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Câmara Temática de Insumos debate demora no registro de inovações tecnológicas
Apesar de sucessivos recordes nas exportações brasileiras de produtos do agronegócio, ainda é preciso melhorar a imagem do Brasil.
Alta do dólar em meio a pandemia elevou exportação e esvaziou mercado interno. Castigo ao consumidor brasileiro deve perdurar, em meio a safras recordes.
Campanhas e pessoas como Carlos Alberto da Silva, da Publique; veículos como o jornal Estadão; e agências como a Santa Clara, foram lembrados.