O AGRONEGÓCIO MAIS PERTO DE VOCÊ

Rendimentos: Grãos e Pastagens após a Colheita do Tabaco

Levantamento do SindiTabaco afirma que produtores foram beneficiados pela alta valorização dos grãos este ano
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Levantamento do SindiTabaco afirma que produtores foram beneficiados pela alta valorização dos grãos este ano
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

A área plantada com milho, feijão e soja cresceu 22% na região Sul, comparativamente com o ano passado, atingindo 144.222 hectares. Em contrapartida, a área com pastagens reduziu 27%, atingindo 25.572 hectares. Devido ao clima, as produtividades decresceram em média 34%, o que fez com que o total da produção de grãos chegasse a 580.442 toneladas.

Segundo demonstra o levantamento feito pelo Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) – entidade que promove o programa de diversificação na região Sul do Brasil – os produtores que aderiram à safrinha, dentro do Programa Milho, Feijão e Pastagens após a colheita do tabaco, foram beneficiados pela alta valorização dos grãos este ano.

O rendimento extra estimado é de R$ 933 milhões, uma variação de 47% em relação ao resultado de 2020, quando os produtores alcançaram R$ 634,2 milhões com o cultivo de grãos e pastagem.

Entre os estados, a renda extra alcançou R$ 368 milhões para os produtores gaúchos em 2021 (R$ 297,4 milhões em 2020). Em Santa Catarina, o rendimento subiu de R$ 205,2 milhões em 2021, para R$ 374 milhões em 2021. E no Paraná, o aumento foi de R$ 131,5 milhões para R$ 191 milhões.

Resultados 2021

Na avaliação do presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, os números do programa mostram a importância do cultivo de uma segunda safra. “Diversificar é sempre uma boa opção para o produtor, pois lhe permite ter seus ganhos distribuídos em mais atividades. Em 2021, observamos uma preferência dos produtores pelo cultivo de grãos em detrimento ao de pastagens, o que resultou em um ganho superior dado o bom momento do agronegócio com essas commodities”, comenta o executivo.

Iro Schunke, presidente do SindiTabaco_Junio Nunes
Redução dos custos de produção dos grãos

A ação é conduzida pelo SindiTabaco com apoio de entidades representativas dos produtores e dos governos dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Uma das vantagens é a redução dos custos de produção dos grãos, pois ocorre o aproveitamento residual dos fertilizantes e pode, também, haver redução de custo na produção de proteína com o uso do milho no trato animal.

Outros benefícios são a proteção do solo e a interrupção do ciclo de proliferação de pragas e ervas daninhas.

Fonte: SindiTabaco

Foto: Banco de Imagens SindiTabaco

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil