Grãos: Atualização de preços mínimos para safra de verão 2021/2022

Governo divulga a portaria que inclui milho e feijão, fibras como algodão e juta/malva, e ainda produtos como leite, mandioca, borracha in natura e cacau cultivado
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Grãos Atualização de preços mínimos para safra de verão 20212022
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Áudio

Os novos preços mínimos para a safra de verão já estão em vigor. Os valores atualizados foram publicados no dia 2 de julho na Portaria n° 201 no Diário Oficial da União. A portaria inclui grãos como milho e feijão, fibras como algodão e juta/malva, e ainda produtos como leite, mandioca, borracha in natura e cacau cultivado. Os valores são utilizados como referência para as operações ligadas à Política de Garantia de Preços Mínimos (PGPM), que visa assegurar uma remuneração mínima aos produtores rurais. 

Os preços mínimos são fixados pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de acordo com a proposta enviada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).  

Os cálculos para a composição dos valores levam em consideração aspectos como os custos de produção ao agricultor e diversos fatores que influem nas cotações dos mercados, como a conjuntura do mercado interno e externo, a oferta e demanda nacional e mundial, a evolução dos preços, além da paridade de importação e exportação, entre outros fatores. 

Para o algodão, tanto em pluma como em caroço, o percentual ficou em 6,65%; o arroz longo fino (no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina) teve reajuste de 12,74%, nas demais regiões e no Paraná o percentual de variação foi de 23,32%. 

Para o feijão de cores, o percentual ficou em 22,26%; feijão preto, 32,3%. O leite teve variação de 37,04% no Sul e Sudeste do país, e de 26,42% no Centro-Oeste, Norte e Nordeste. A soja, 22,79%; e as correções para o milho variam de 20,15% para os estados que integram o Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia) a 26,43% para o Norte (exceto Rondônia e Tocantins), 28,09% (sem considerar Bahia, Maranhão e Piauí) para o Nordeste e de 19,25% para os estados de Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. O reajuste do cereal em Mato Grosso, maior estado produtor do país, e em Rondônia alcançou 23,74%. 

Os preços mínimos são básicos para a operacionalização de instrumentos de apoio à comercialização, tais como as Aquisições do Governo Federal (AGF), o Prêmio para Escoamento do Produto (PEP) e os mecanismos de financiamento. 

Fonte: Conab 
Crédito da foto: Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Leia também