Geadas e chuvas prejudicam seriamente setor vinícola europeu

Enquanto na Itália estima-se que a produção pode cair de 5 a 10% este ano, na França, mais afetada pelos problemas climáticos, a queda pode ser de até 30% - nível baixo em décadas

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Geadas e chuvas prejudicam seriamente setor vinícola europeu
Foto: Reuters
Áudio

A França se prepara para queda na produção de vinho devido a problemas climáticos. A produção de vinho no país pode cair até 30% este ano, para seu nível mais baixo em décadas, depois que os vinhedos foram atingidos por geadas de primavera e chuvas de verão, disse o Ministério da Fazenda.

E o impacto do clima na safra pode trazer mais dores de cabeça para o setor vinícola francês, que viu a demanda prejudicada no ano passado pela pandemia do coronavírus e pelas tarifas americanas.

Os produtores de champanhe alertaram que seu potencial de colheita foi reduzido pela metade devido às severas geadas da primavera seguidas por chuvas torrenciais de verão que causaram fungos.

Em sua primeira previsão para a produção nacional de vinho, o Ministério da Fazenda francês projetou na sexta-feira (06/08) a produção de 2021 entre 32,6 milhões e 35,6 milhões de hectolitros, 24-30% menos que no ano passado. Um hectolitro equivale a 100 litros, ou 133 garrafas de vinho padrão.

“A produção de vinho em 2021 deve ser historicamente fraca, abaixo dos níveis em 1991 e 2017, que também foram afetados por fortes geadas na primavera”, disse o Ministério em um relatório.

Geadas e chuvas prejudicam seriamente setor vinicola europeu 1
Foto: Reuters

A produção geral seria a mais baixa desde pelo menos 1970, mostraram dados do Ministério, com quase toda a produção atingida por geadas. Enquanto isso, a doença do mofo disseminada pelas condições úmidas do verão afetou áreas como Champagne, Alsácia e Beaujolais.

Os produtores de vinho projetam, anteriormente, que as geadas podem reduzir a produção francesa em um terço. Com as uvas cerca de 10 dias a duas semanas atrás do ritmo de crescimento do ano passado, ainda havia tempo para que os rendimentos se recuperassem um pouco, disse Jerome Despey, produtor e chefe do comitê de vinhos da agência agrícola FranceAgriMer. “A colheita antecipada estava apenas começando no extremo sul da França em comparação com o final de julho de 2020”, disse ele.

Os produtores de champanhe relatam que sua prática de longa data de ajustar a oferta com os estoques das safras anteriores impedirá qualquer aumento nos preços do vinho espumante.

No entanto, há que se destacar que o impacto no mercado de vinho mais amplo pode depender de as variantes do coronavírus levarem a outras restrições à hospitalidade e ao turismo.

Despey observa que os produtores de vinho estão enfrentando grandes dificuldades este ano. E completa: “A produção perdida nunca será compensada pelos preços de mercado”.

E, na Itália, o maior produtor mundial de vinho, a associação de agricultores Coldiretti estima que a produção pode cair 5-10% este ano, para 44-47 milhões de hectolitros.

“As altas temperaturas fizeram com que a colheita começasse uma semana antes no sul, enquanto no norte o crescimento da uva estava atrasado cerca de 10 dias após fortes chuvas”, disseram representantes da Coldiretti.

Fonte: Reuters
Foto: Reuters

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Desvalorização externa e maior oferta no Brasil pressionam cotações do algodão.
O Brasil deverá exportar 60 mil toneladas de arroz beneficiado a Cuba em setembro, informou a entidade.
Água e do vento rasgam a produção e escoam o lucro pelo mais absoluto descaso ou descuido.
É o que indica estudo realizado pela Rede de AgroPesquisa e Formação Aplicada Paraná (Rede AgroParaná).