Fusões e aquisições do agro seguem aquecidas em 2021

Até julho último, ocorreram 33 negócios no setor, que movimentaram R$ 1,7 bilhão.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Fusões e aquisições do agro seguem aquecidas em 2021
Indústria de distribuição de insumos agrícolas é uma das mais aquecidas – Foto: Rikardy Tooge/Valor — São Paulo
Áudio

O mês de agosto ainda não terminou, mas já houve pelo menos três grandes operações de fusão e aquisição entre empresas do agronegócio no período. A maior delas ocorreu no dia 16, com a compra da produtora de massas Santa Amália pela Camil, líder em arroz e feijão, por R$ 410 milhões. Antes, Lavoro e Nutrien, anunciaram as aquisições das redes de distribuição de insumos agrícolas Agrozap, de Minas Gerais, e Bio Rural, de Mato Grosso do Sul, respectivamente.

As três operações somam-se às mais de 30 fusões e aquisições que ocorreram no setor até julho deste ano, segundo levantamento da consultoria Deloitte, feito com base em dados da Transactional Track Records (TTR). No total, foram 33 negócios concluídos, que movimentaram R$ 1,7 bilhão — o relatório considera apenas as transações cujos valores foram divulgados. Outros nove acordos ainda aguardavam aval dos órgãos de controle, como o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) — mesma situação em que se encontram os negócios anunciados neste mês.

Os números ficaram bastante próximos dos registrados nos primeiros sete meses de 2020, quando 36 negócios movimentaram R$ 1,9 bilhão. Em todo o ano passado, foram 67 operações, que giraram R$ 4,3 bilhões.

A indústria de distribuição de insumos agrícolas é uma das mais aquecidas, com 11 transações concluídas ou por concluir em 2021; essas negociações envolveram 12% do total dos recursos movimentados nas operações. No segmento, foram 19 transações no ano passado.

“Há expectativa de que o número de operações de fusões e aquisições no agronegócio crescerá neste ano, com destaque para a distribuição de insumos agrícolas, como ocorreu em 2020”, disse Luís Otávio da Fonseca, sócio da Deloitte para o setor de agronegócios. Ele compara o quadro de consolidação do segmento de varejo de insumos ao que ocorreu com as redes de farmácia na última década.

Entre as operações de peso, além das que incluíram a Camil e as varejistas de insumos, também ocorreram, entre outras, a compra da Biosev pela Raízen (de fevereiro), a da Uniaves pela Pif Paf (de julho) e a conclusão da aquisição da Terra Santa pela SLC Agrícola – negócio de R$ 753 milhões anunciado em novembro 2020.

Fonte: O Valor/Por Rikardy Tooge
Foto: Por Rikardy Tooge, Valor — São Paulo

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Câmara Temática de Insumos debate demora no registro de inovações tecnológicas
Apesar de sucessivos recordes nas exportações brasileiras de produtos do agronegócio, ainda é preciso melhorar a imagem do Brasil.
Alta do dólar em meio a pandemia elevou exportação e esvaziou mercado interno. Castigo ao consumidor brasileiro deve perdurar, em meio a safras recordes.
Campanhas e pessoas como Carlos Alberto da Silva, da Publique; veículos como o jornal Estadão; e agências como a Santa Clara, foram lembrados.