Frio intenso e oferta firme reduzem liquidez da laranja

Depois de 45 dias de gelo, a citricultura tenta reaver dias melhores nos negócios.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Frio intenso e oferta firme reduzem liquidez da laranja
As tangerinas são as piores vítimas do frio
Áudio

Tradicionalmente, os dias de temperaturas mais baixas em regiões tropicais não favorecem o consumo de suco de laranja ou mesmo da fruta “in natura”. Mas quando o clima traz geadas e até neve, aí os números despencam. É o que assistimos no mercado citricultor nos mês de julho e início de agosto, no Brasil.

“Produtores consultados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) têm relatado menor ritmo de vendas no mercado de laranja. O período de final de mês e a queda nas temperaturas diminuíram a comercialização. Além disso, o cenário de oferta elevada também dificulta a reação nos preços. Na semana passada, a pera teve média de R$ 5,87 a caixa de 40,8 quilos, na árvore, queda de 5% em relação à média anterior”, diz o Centro.

O cenário só não é pior em função dos acometimentos mexicanos e norte-americanos que, em seus períodos, também enfrentarem intempéries climáticas, o que fizeram reduzir suas respectivas produções, que também sofreram com frio além da conta no início deste 2021. Vale lembrar que verão aqui é inverno lá. Com isso, estoques reguladores caíram.

Com relação à tangerina poncã, a safra está praticamente encerrada no Estado de São Paulo. Segundo colaboradores do Cepea, o volume produzido foi baixo, já que as erradicações foram significativas. Na semana passada, a poncã teve média de R$ 11,91 a caixa de 27 kg, na árvore, elevação de 2,4% em relação à média anterior.

A lima ácida tahiti está em entressafra em São Paulo. Dessa forma, produtores ofertam a fruta aos poucos, na expectativa de preços cada vez maiores, segundo informações do Cepea. A demanda, por sua vez, segue estável. Na semana passada, a tahiti teve média de R$ 23,95 a caixa de 27 kg, colhida, alta de 8% em relação à anterior.

Fontes: CEPEA e Canal Rural
Foto: Colheita da tangerina Ponkan/Divulgação

Leia outras notícias no portal Mundo Agro Brasil

Relacionadas

Veja também

Na média nacional, a produção de café beneficiado em 2021 deve ser 25,7% menor do que no ano passado.
Com objetivo de reduzir incidência de pragas nas lavouras, IMA estima fiscalização presencial em 124 propriedades no estado
Produtores do Sul do Brasil recebem certificado por boas práticas na produção de tabaco
Safra 2020/21 da laranja foi responsável por 5,94% das vagas da agricultura brasileira com mais de 40 mil postos