FEI bloqueia eventos até o dia 28 de março

A decisão da Federação Equestre Internacional se deu devido ao aparecimento do vírus do herpes equino (EHV-1)
Share on whatsapp
Compartilhe no WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Áudio

A FEI, Federação Equestre Internacional, cancelou eventos internacionais em 10 países no continente europeu com efeito imediato e até 28 de março de 2021 devido à rápida evolução de uma cepa muito agressiva da forma neurológica do vírus do herpes equino (EHV-1), que se originou em Valência, na Espanha, e já resultou em surtos relacionados em pelo menos três outros países da Europa.

Essa decisão vale para todas as disciplinas da FEI. No entanto, como algumas Jumping Tours estão em andamento há várias semanas na Península Ibérica, na Itália e na Bélgica, e para evitar que grande número de cavalos partam simultaneamente, foi preciso autorizar essas Tours específicas, porém, como “bolhas” individuas, com a condição de que, absolutamente nenhum cavalo novo seja autorizado a entrar nos locais, e nenhum caso positivo de EHV-1 seja confirmado.

Os locais do Jumping Tour em Vejer de la Frontera (Espanha), Vilamoura (Portugal), San Giovanni in Marignano (Itália) e Gorla Minore (Itália) terão protocolos de biossegurança rigorosos e Delegados Veterinários da FEI adicionais estarão presentes. Os cavalos só terão permissão para deixar esses espaços quando estiverem de posse de um certificado oficial de saúde das Autoridades Veterinárias de cada localidade. Quaisquer cavalos que saiam desses locais sem essa documentação serão bloqueados no banco de dados da FEI. Também é considerado ilegal transportar um cavalo sem um certificado oficial de saúde.

Cancelamentos

Oliva Nova, na Espanha, já tinha avisado à FEI na tarde de 1ª de março que havia decidido cancelar o resto das suas competições programadas no Mediterrâneo Equestrian Tour III.  Opglabbeek, na Bélgica, também informou à FEI que cancelou seus eventos em março.

Vários países, incluindo a França, já cancelaram todos os seus eventos para minimizar a transmissão do vírus.

A decisão, que abrange eventos na França, Espanha, Portugal, Bélgica, Itália, Áustria, Polônia, Holanda, Alemanha e Eslováquia foi feita de acordo com o Artigo 112.3 dos Regulamentos Gerais da FEI, que declara: O Secretário-Geral terá autoridade para remover qualquer Competição e/ou Evento do Calendário se circunstâncias justificadas relacionadas a uma Competição ou Evento forem estabelecidas.

“Bloquear eventos na Europa continental, não foi uma decisão fácil, especialmente após a grande interrupção do calendário da FEI causada pela pandemia de Covid-19”, disse a secretária-geral da FEI, Sabrina Ibáñez, que acrescentou: “Mas, este surto de EHV-1 é provavelmente o mais grave que tivemos na Europa por muitas décadas, e nossa decisão é baseada em fatores de risco epidemiológicos claramente identificados.”

Ibáñez continuou ponderando a situação ao explicar que “esta cepa de EHV-1 é particularmente agressiva, já causou mortes em equinos e promoveu grande número de casos clínicos graves. Precisamos manter nossos cavalos seguros. Também sabemos que um número elevado de cavalos saiu do recinto em Valência sem um certificado oficial de saúde, o que significa que tinham um estado de saúde desconhecido. Alguns cavalos já estavam doentes e o risco de transmissão desses animais é uma grande preocupação”.

“O cancelamento destas competições na Europa continental, com exceção dos Jumping Tours em curso na Península Ibérica e Itália, limita o número de cavalos que viajam internacionalmente e, portanto, reduz a probabilidade deste vírus gravíssimo ser transmitido em escala cada vez mais ampla. Recomendamos fortemente que as Federações membros afetadas também cancelem seus eventos nacionais”, afirmou.

“Estamos muito conscientes do fato de que este é um momento muito estressante e angustiante, e que isso é potencialmente bastante perturbador para aqueles de vocês que buscam seus Requisitos Mínimos de Elegibilidade (MERs) ou resultados de confirmação para Tóquio, mas estamos procurando maneiras para aliviar isso, a fim de ajudar as combinações atleta/cavalo a obterem seus MERs ou resultados de confirmação, uma vez que os eventos na Europa continental possam ser retomados”, concluiu.

A FEI entrará em contato com todos os atletas impactados inscritos em eventos, entre 01/03 e 28/03 de 2021.

Fonte: Federação Brasileira de Hipismo – FEI

Relacionadas

Veja também

Canchim, a raça sintética proveniente do Charolês (francês) e do Nelore (brasileiro) integra banco de dados do Promebo.
Já no parto, o coto umbilical precisa cicatrizar de forma correta para evitar problemas futuros aos animais e prejuízos ao pecuarista.
Em tempos onde o preço da produção do leite sobe menos que os custos, nutrição de qualidade e assistência técnica ajudam a manter alta produtividade
Entre tantas,mais uma pesquisa comprova que ingerir mais “ouro branco”, a gordura láctea, oferece menor risco de doenças cardíacas.